Ceni explica bilhete a Pratto em jogo do São Paulo: “Garganta inflamada”

Gazeta Press

Rogério Ceni entregou um bilhete ao centroavante Lucas Pratto durante o empate sem gols com o Defensa y Justicia, na quarta-feira, na Argentina, pela primeira fase da Copa Sul-Americana, adotando um recurso muito utilizado pelo colombiano Juan Carlos Osorio, que foi o seu técnico em 2015 e com quem estagiou no ano passado. No entanto, a explicação para o recado via papel foi uma severa inflamação na garganta.

“Eu não tenho a mínima condição de gritar mais. Não tenho mais a minha garganta para gritar. Amanheci muito mal da garganta, bastante inflamada, o máximo que eu consigo é falar e, dentro de um estádio, com barulho da torcida, é muito difícil falar a 30 metros de distância. Espero melhorar, estou tomando remédio, para poder gritar e não ser necessário passar o bilhete”, disse o treinador, em entrevista coletiva.

Como o Tricolor havia perdido Buffarini por expulsão, aos 29 minutos do segundo tempo, Ceni decidiu adiantar Rodrigo Caio para a posição de volante, mas, sem voz, teve de apelar ao papel e caneta. Entregou o recado ao capitão Pratto, que reposicionou os seus companheiros.

Assim, o meio-campo ficou com o camisa 3 à frente de Lucão e Breno, com Jucilei na direita, João Schmidt na esquerda e Wellington Nem mais adiantado, municiando Chavez e Pratto.

“Quando os dois homens de frente começaram a buscar o jogo, perdemos o meio-campo, então decidi trazer o Rodrigo Caio para primeiro volante com o Jucilei e o João, e voltar numa linha de quatro, arriscando um pouco mais, esperando um pouco mais a descida do ala. Acho que o time melhorou a partir desse momento, aumentou o posse de bola, mas não jogamos o nosso futebol normal, não vi os números, mas tenho certeza que são bem abaixo do que apresentamos na Copa do Brasil e no Campeonato Paulista”, avaliou Ceni.

Diante da equipe argentina, o treinador armou o São Paulo em um 3-5-2, espelhando o sistema adversário. Foi o método encontrado diante de 13 desfalques que tinha para o confronto. Insatisfeito com a atuação de seu time, Ceni espera um Tricolor mais agressivo no jogo de volta, em 11 de maio, no Morumbi.

“Foi equilibrado, tivemos duas boas chances de gol, com o Wellington Nem saindo na cara do goleiro. Eles não saíram cara a cara com Denis nenhuma vez, mas creio que foi um resultado justo. Para mim não foi bom porque não gosto de jogar dessa maneira, espero jogar diferente no Morumbi”, concluiu.

Leia também