Ceni diz que não mudará filosofia por derrota em clássico e defende Denis

Marcio Porto
Treinador minimiza efeitos de derrota por 3 a 0 para o rival Palmeiras e diz que goleiro não estava adiantado no gol de Dudu, por cobertura. Ele esperava atacar no segundo tempo

A derrota de 3 a 0 para o Palmeiras não mudará em nada as convicções de Rogério Ceni sobre o futebol que o São Paulo precisa aplicar. Foi isso o que disse o técnico após o clássico deste sábado, no Allianz Parque. Foi o primeiro confronto do ano em que o time de Ceni saiu sem chutar mais a gol do que o adversário: 15 a dez.

- Minhas convicções não serão alteradas. E depois de hoje, não sou ruim, nem fui tão bom. Minha convicção é atacar o gol, e mostrou que eu tenho que fazer isso mais, porque hoje não conseguimos fazer. Gostaria de ter todos os jogadores à disposição, mas não posso arriscar, no caso do Cueva. Prefiro perder ele para um, quem sabe dois jogos, do que perder para quatro semanas. Principalmente porque em abril entra a fase final do Paulista, que acredito que vamos nos classificar - analisou o comandante, em entrevista coletiva.

Sem Cueva, com um edema na coxa esquerda, Ceni apostou na entrada de Jucilei, adiantando Thiago Mendes. O treinador explicou a mudança e disse que esperava segurar mais o jogo no primeiro tempo.

- Meu intuito hoje era fazer a marcação mais à frente no segundo tempo. Com Pratto, Luiz Araújo, Wellington Nem. O Wellington Nem ainda não tem condição de jogar um jogo inteiro, e se eu entrasse com ele, depois teria de tirar. Então seria um primeiro tempo muito ofensivo, e depois não. Então tentei segurar primeiro e apostar na velocidade no segundo. Mas mesmo quando você faz, às vezes não dá certo - afirmou.

Ceni também saiu em defesa de Denis. Perguntado se o goleiro ainda tem estrutura emocional para continuar no clube, ele disse que todos os goleiros têm. E isentou o goleiro de culpa no gol de Dudu, que, assim como Robinho fez no próprio Rogério em 2015, acertou um chutaço de cobertura.

- Ele (Denis) não estava adiantado, ele estava fora do gol, porque ele abre no tiro de meta, dá opção para o zagueiro, isso é o básico. Ele não estava adiantado, como eu estava no gol que eu sofri aqui. Porque eu tinha tirado uma bola, e aí o Robinho domina e faz o gol. Ele estava lateralizado, não adiantado. Mas se o Dudu percebeu isso, mostra que ele é mais jogador ainda do que vem mostrando. Mérito total dele - disse Ceni.

Confira outros trechos da coletiva do treinador:

Lembrou do gol de Robinho?
O gol do Dudu foi mais bonito ainda, porque foi mais rápido, pensou mais rápido. Uma saída de bola errada nossa, porque o Buffarini não tem opção quando recebe. Estávamos com um a menos, porque o árbitro não deixou o Pratto entrar. E o Dudu domina e já bate, total mérito. Um golaço.

Não ter jogado no ataque
Nós não conseguimos mesmo. Finalizamos dez vezes, o Palmeiras 15. A primeira vez desde que sou técnico que finalizamos menos do que o adversário, mesmo com mais posse. O Palmeiras parou o jogo com 31 faltas, nós com 17. E é importante parar o jogo. E o Palmeiras mostra que investiu bastante, que é muito forte dentro de sua casa. Muita qualidade. Mérito total pro Palmeiras e pro Eduardo, às vezes questionado, mas mostra o trabalho dele. Num jogo sem nada para reclamar, sem erros de arbitragem. Erros bobos nossos.

Douglas estava inseguro?
Senti ele extramente seguro. Confiante, seguro. Os dez primeiros minutos foram uma aula de posse, tocamos muito bem a bola. Até o momento que o Rodrigo Caio dá um passe atravessado para o Jucilei, com o gol atrás. Isso eu aprendi com o Osorio. Ou dá passe para frente ou na diagonal. Começamos a perder um pouco de confiança ali. Aí o Douglas deu um passe apertado para o Buffarini. Talvez fosse um chutão a melhor opção, mas foi a opção do jogador.

Estrutura emocional de Denis
Vejo estrutura emocional nos quatro goleiros que eu tenho. O Perri, tenho de trabalhar mais porque é jovem. Mas os três têm. Você acha que ele falhou no primeiro gol? Eu não acho. Tem de dar o mérito para o Dudu, fazer um gol desses. O Denis deu apoio ao Douglas, por isso estava ali, se ele quisesse passar. Temos de valorizar o Dudu, e não tentar achar um culpado. Mas todos meus jogadores têm estrutura emocional para jogar no São Paulo. Se um dia não estiver, vão buscar em outro espaço. Nos últimos dez jogos, perdemos um. Então vamos com calma.

Jogar sem Cueva
Acho que o time pode andar sem o Cueva, mas prefiro andar com ele (risos). Mas não posso colocar um jogador nessas condições, reclamando de dores. Mas me faz pensar o que fazer sem ele, claro que faz. Pensei em colocar o Thiago, que tem energia, e no segundo tempo vou fazer o contrário, fazer pressão no Palmeiras com Luiz Araújo e Wellington Nem. Talvez faltou aqueles 30 segundos, que o Palmeiras fez o gol.


























E MAIS: