Ceará terá toque de recolher para frear avanço da Covid-19

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
Segundo o Ministério da Saúde, estado tem 408.555 casos de coronavírus e 10.868 mortes por Covid-19; é a 11ª maior taxa de mortes por milhão de habitantes no Brasil: 1.183 (Foto: José Cruz/Agência Brasil)
Segundo o Ministério da Saúde, estado tem 408.555 casos de coronavírus e 10.868 mortes por Covid-19; é a 11ª maior taxa de mortes por milhão de habitantes no Brasil: 1.183 (Foto: José Cruz/Agência Brasil)

O governador do Ceará, Camilo Santana (PT), anunciou que todo o estado terá toque de recolher das 22h as 5h a partir desta quinta-feira (18). A medida, que dura até o dia 28 de fevereiro, é para tentar impedir o avanço da Covid-19.

Pelas novas regras, o comércio deve fechar às 20h, durante a semana, e apenas serviços essenciais podem continuar funcionando após esse horário. No sábados e domingos, restaurantes funcionam até as 15h, e o comércio até as 17h — inclusive lojas dentro de shoppings.

Leia também

Segundo o governo estadual, aulas presenciais estarão suspensas a partir desta sexta-feira (19) tanto na rede pública quanto na privada. O ensino continuará sendo feito de forma remota.

“Todas as medidas têm um único objetivo: proteger os cearenses e salvar vidas”, declarou Santana em live no Facebook nesta quarta-feira (17).

Os servidores públicos vão entrar em regime de home office, com exceção dos que atuam em atividades essenciais.

Além disso, o governador do Ceará pediu às empresas privadas para que também dispensem o trabalho presencial sempre que for possível.

TAXA DE MORTES

Segundo o Ministério da Saúde, estado tem 408.555 casos de coronavírus e 10.868 mortes por Covid-19; é a 11ª maior taxa de mortes por milhão de habitantes no Brasil: 1.183

A taxa de pacientes internados em leitos de UTI também vem crescendo. Dados do governo cearense mostram quee em 19 de setembro, 49 pacientes com Covid-19 estavam internados em leitos de UTI no Ceará. O número subiu para 226 em 18 de janeiro. Na quarta-feira (17), 652 pessoas estavam nos cuidados intensivos.

O número de internados em enfermaria também cresceu: 470 em 19 de setembro; 558 em 15 de janeiro e 1.026 nesta quarta (17), segundo dados do governo.