CBF repudia uso da camisa da Seleção Brasileira em 'atos antidemocráticos e de vandalismo'

Camisa da Seleção foi usada por grupo extremista que depredou os prédios dos trêspoderes (Divulgação/CBF)


A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) usou as redes sociais para repudiar o uso da camisa da Seleção Brasileira nos atos antidemocráticos e de vandalismo de apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) na Praça dos Três Poderes, em Brasília, neste domingo.

O grupo, que pede de forma inconstitucional um golpe militar contra a democracia brasileira, invadiu o Palácio do Planalto, o Supremo Tribunal Federal e o Congresso Nacional, quebrou vidraças e danificou obras de arte e mobílias dos prédios.

Diante disso, a CBF afirmou que é uma instituição apartidária e democrática e que estimula a união do povo brasileiro.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Os protestos em Brasília deste domingo tomaram proporções sem precedentes no Brasil. Centenas de vândalos foram presos e o Governo Federal informou que pretende punir os culpados pelo quebra-quebra e identificar quem financiou as operações.

O governador de Brasília, Ibaneis Rocha (MDB), foi afastado do cargo por 90 dias por determinação do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal. O presidente Lula decretou intervenção federal na segurança pública no Distrito Federal até o dia 31 de janeiro. O Congresso Nacional vota nesta segunda-feira a validade da intervenção.