CBF planeja convidar times em montagem de 'rede de espionagem' para a Copa

PEDRO IVO ALMEIDA

RIO DE JANEIRO, RJ (UOL/FOLHAPRESS) - Com a seleção brasileira classificada para a Copa do Mundo de 2018, Tite e sua comissão técnica já planejam o trabalho visando a disputa do Mundial na Rússia. E uma das preocupações no momento é com a rede de monitoramento de possíveis adversários no torneio.

Para suprir a demanda e conseguir ter uma análise mais profunda das outras 31 seleções participantes da Copa, a CBF definiu um plano inédito: convocar os clubes do futebol brasileiro e montar uma espécie de "rede de espionagem" com o objetivo de ter um relatório mais aprofundado de cada equipe classificada para o Mundial.

A CBF pretende acionar os departamentos de análise de desempenho dos times brasileiros e passar a cada um deles a missão de monitorar uma equipe classificada para a Copa do Mundo.

O coordenador de seleções, Edu Gaspar, entende que não seria possível ter uma análise detalhada de todas as equipes. Com isso, definiu o modelo que visa integrar cada vez mais futebol brasileiro e seleção brasileira. A CBF pretende conversar com os clubes em breve para apresentar e alinhar o plano.

No modelo pensado pela confederação, representantes dos clubes que fizerem os relatórios das três seleções que estarão no grupo do Brasil ainda estariam com a comissão técnica na Rússia, em uma "premiação" pelo trabalho. Aqueles que fizerem os melhores trabalhos ainda poderão viajar para a Copa e servir como "espiões" de possíveis adversários no Mundial.

CASA NA RÚSSIA

Na esteira dos preparativos para a Copa, Edu Gaspar, Tite e o estafe da seleção já estudam as opções de cidades que podem servir de base para a equipe na Rússia. Nas anotações da comissão técnica, locais como Sochi, São Petersburgo, Kazan, Samara e Moscou surgem entre os favoritos.

A definição deverá ocorrer até o final de outubro. Representantes da CBF embarcam para o país-sede da Copa após os jogos de setembro, pelas Eliminatórias, e esperam bater o martelo semanas depois.

A comissão técnica entendeu que não seria necessário esperar a tabela do Mundial -sorteio ocorre em dezembro- para definir a cidade. Na avaliação do estafe da CBF, o fato de os deslocamentos aéreos serem relativamente curtos (máximo de 3h20) minimizam a relação da base com os locais que receberão a seleção. Na visão de Edu e Tite, o mais importante é acertar uma boa estrutura de treinamentos e hospedagem.

CONVOCAÇÃO FINAL

Na questão esportiva, Tite já sabe também quantos jogos terá até o momento de fechar a lista para o torneio. A ideia do técnico é disputar 12 partidas até a convocação final para a Copa. Serão oito jogos ainda em 2017 (quatro pelas Eliminatórias e mais quatro amistosos), além de quatro no primeiro semestre de 2018 (dois amistosos em março e outros dois até maio). A dúvida fica por conta dos possíveis jogos-treinos dias antes da estreia no Mundial. Tal definição só ocorrerá no próximo ano.