Cavani, Casemiro, Lautaro, Vidal... astros incertos nas eliminatórias sul-americanas

·4 minuto de leitura

Com exceção de Messi e Neymar, outros destaques como Luis Suárez, Cavani, Lautaro Martínez, Vidal e Casemiro ficaram presos em um sério conflito devido à recusa das ligas inglesa, espanhola e italiana em ceder seus jogadores sul-americanos para a rodada tripla das eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022.

Pelo menos 66 jogadores sul-americanos poderão ficar de fora desses jogos entre 2 e 9 de setembro se as ligas não voltarem atrás em suas drásticas decisões, de acordo com uma contagem da AFP baseada em listas de times divulgadas pelas respectivas federações.

Até agora estas federações europeias não deram o braço a torcer, apesar de o presidente da Fifa, Gianni Infantino, ter exigido "solidariedade" ao considerar que a cessão dos atletas para as próximas janelas internacionais "é um assunto cuja urgência e importância são capitais".

Os clubes consideram que não poderiam contar com os jogadores durante muitos dias porque quando retornarem da rodada tripla sul-americana terão que cumprir as medidas de isolamento que vigoram nesses países devido à pandemia.

- Argentina, a mais afetada -

Dias antes de embarcarem para a América do Sul, os jogadores permanecem no limbo enquanto as federações da região e a Conmebol permanecem em silêncio aguardando uma solução para o conflito envolvendo clubes europeus e a Fifa.

"Não temos um posicionamento oficial, por enquanto. Estamos acompanhando de perto a situação com os órgãos responsáveis, aguardando uma forma de solucionar o problema. (...) Estamos trabalhando com vários cenários para eventuais decisões", disse uma fonte da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) à AFP.

Tite convocou mais nove jogadores nesta sexta-feira para a rodada tripla das eliminatórias sul-americanas para a Copa do Mundo do Catar-2022 diante das incertezas devido à recusa das ligas inglesa, espanhola, italiana e portuguesa em ceder seus jogadores sul-americanos para esses compromissos.

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) "não desconvocará nenhum jogador convocado para estes jogos de setembro. Porém, dada a incerteza de apresentação de atletas, principalmente do Reino Unido, e a falta de uma definição efetiva, optamos pela convocação de mais atletas para a lista original" comentou o coordenador da seleção Juninho Paulista, ao lado de Tite.

A seleção mais afetada em número é a Argentina com 21 jogadores que ficariam de fora da rodada tripla, incluindo o superclássico com o Brasil, no dia 5 de setembro em São Paulo, pela sexta rodada que havia sido suspensa em março devido à propagação da pandemia na região.

- Messi e Neymar a salvo -

Embora seu astro Lionel Messi, novo craque do PSG, consiga se encontrar com sua torcida pela primeira vez desde que a Argentina venceu a Copa América em julho passado, após 28 anos, outros conterrâneos terão de assistir pela TV ao duelo com a Bolívia no dia 9 de setembro no estádio Monumental.

O goleiro Emiliano Martínez (Aston Villa), o zagueiro Cristian Romero (Tottenham), ambos com grandes atuações na Copa América de 2021, além dos atacantes Lautaro Martínez (Inter) e Paulo Dybala (Juventus), que voltaram ao Albiceleste após longa ausência, são algumas dos atletas afetados nessa queda de braço.

O Brasil, líder isolado das Eliminatórias com seis jogos vencidos em seis jogos, terá que abir mão de astros como Casemiro (Real Madrid), o goleiro Alisson (Liverpool), Gabriel Jesus (Manchester City) e Richarlison (Everton), entre 14 jogadores desses países convocados por Tite, embora Neymar (PSG) esteja presente.

- Duro golpe para o Uruguai -

O Uruguai receberá um duro golpe se a medida se concretizar porque sua dupla ofensiva, formada por Suárez (Atlético de Madrid) e Cavani (Manchester United) e suas duas figuras emergentes, os meias Rodrigo Bentancur (Juventus) e Federico Valverde (Real Madrid), vão ficar de fora.

A 'Celeste', que ocupa a última posição na zona de classificação para a Copa do Catar-2022 com 8 pontos, tem 14 jogadores prontos para viajar, mas com menos chance de reposição do que Brasil e Argentina.

A Colômbia pode ficar aliviada porque há cinco jogadores em uma eventual situação de desfalque, mas na realidade é um quinteto estelar, difícil de substituir: o goleiro David Ospina (Napoli), os zagueiros Dávinson Sánchez (Tottenham) e Yerry Mina (Everton), assim como o meia Juan Guillermo Cuadrado (Juventus) e o atacante Luis Fernando Muriel (Atalanta).

Algo semelhante acontece com o Chile, a começar pelo emblemático Arturo Vidal (Inter de Milão) e o capitão Claudio Bravo (Betis), em uma lista de oito jogadores que atuam por clubes desses três países europeus.

A 'Roja' não pode perder pontos nesta rodada tripla, pois está na sétima posição com apenas seis pontos.

Os problemas para o Paraguai não são menos sérios, já que perde duas peças importantes como Miguel Almirón (Newcastle) e Antonio Sanabria (Torino), e a medida terá efeito também na Venezuela, que não poderá contar com seu capitão, Tomás Rincón (Torino) e nem com Darwin Machís (Granada).

burs-ol/cl/aam

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos