Castan nega atrito com Cano e fala sobre camisa LGBTQIA+ do Vasco: 'Fui, teoricamente, obrigado a vestir'

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.


Em entrevista coletiva no CT Moacyr Barbosa, o zagueiro Leandro Castan comentou sobre o episódio polêmico em que fez uma postagem bíblica ("Sejam férteis, multipliquem-se e encham a terra") na época em que o Vasco anunciou diversas ações em prol do movimento LGBTQIA+. Entre elas, um uniforme especial para enfrentar o Brusque, no primeiro turno com a faixa nas cores do arco-íris.

+ Confira e simule a tabela da série B do Campeonato Brasileiro

- Pode ter certeza que aqui no Vasco nunca faltou respeito. Eu sou o primeiro a respeitar a instituição e o torcedor. Tenho gratidão pelo Vasco. No momento no qual expus o que acredito, quando eu fui, teoricamente, obrigado a vestir uma camisa, acho que algumas pessoas não gostaram. Mas eu respeito a todos e também acho que tenho de ser respeitado - revelou o capitão cruz-maltino.

+ Léo Matos e Miranda ultrapassam 50 jogos pelo Vasco: confira quantas partidas tem cada atleta do elenco

O defensor também negou qualquer atrito com o atacante Germán Cano e que tudo é resolvido internamente. Na época, o argentino protagonizou uma cena emblemática ao erguer a bandeirinha arco-íris. O ato ganhou o mundo e entrou para a história do Vasco como forma de resistência e luta pela questão social.

- Sei que tem gente que pega no meu pé, que fala que estou mal. Mas os números estão aí. Sou muito crítico. Teve um jogo nesta temporada que fui mal, o contra o São Paulo. Então, sei que parece que aquele jogo valeu por 20. Sei que tem relação com o episódio do Brusque. Ficou marcado para mim. Eu, como cristão, processando a minha fé, é aquilo que eu penso. Não ficou nenhum desconforto. Muitos falaram que teve problema comigo e com o Cano. Não tivemos. E, se tivemos, resolvemos no vestiário. Não sei a que tipo de capitão as pessoas estão acostumadas - disse, e em seguida completou:

+ Vasco terá reencontros com velhos conhecidos e seis jogos pela Série B; veja o calendário de setembro


- Eu sou um capitão que resolve as coisas internamente. Não sou o cara que vai brigar na frente de todo mundo para querer aparecer. Tenho algumas referências, como Totti, do De Rossi, do Ronaldo e do Roberto Carlos. São líderes com os quais trabalhei. Procuro usar esses caras como espelho. É claro que não sou perfeito. Vou errar. A gente resolve as nossas coisas dentro de vestiário. Pode ter certeza de que aqui no Vasco nunca faltou cobrança e respeito - finalizou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos