Castan explica movimento dos jogadores em meio à pandemia, fala de política e mais

Goal.com

Leandro Castan é um jogador que se posiciona diante de diversos assuntos fora do futebol propriamente dito. Em uma live exclusiva com a Goal, transmitida em nosso Instagram, o zagueiro do Vasco falou sobre o movimento dos jogadores neste período de pandemia.

"Quando o clube manda o jogador embora o clube não tem que pagar o contrato. Acho que era 50% daquele contrato, então estava desprotegendo muito os atletas", disse Castan. Com o futebol paralisado, muitos clubes perderam jogadores para a sequência da temporada, seja pelo fim de contrato dos atletas ou porque o clube mandou eles embora, já que não tinha como manter o elenco sem arrecadar dinheiro.

Castan sabe que seu papel como atleta da Série A e bem sucedido não é a realidade da maioria dos jogadores e afirma que deve usar essa visibilidade para poder ajudar aqueles que mais precisam. "Nós jogadores que estamos na Série A temos que pensar nas outras séries também porque a nossa voz tem mais força do que a de quem está na Série B, C ou D."

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

"É claro que os jogadores importantes que ganham mais, muito difícil que o clube mande embora, porque o jogador está bem, joga bem. O problema são os caras que ganham pouco. O time está indo mal no campeonato, por exemplo na Série C, com três meses de campeonato, o time perde e manda o cara embora sem ter que pagar nada", completou o zagueiro.

O zagueiro elogiou a união dos jogadores em um momento tão difícil e inédito na história do futebol brasileiro, paralisado pelo coronavírus. "É legal isso porque mostra que os jogadores estão se movimentando, estão se unindo. O jogadores estão se mobilizando e até o senador Romário deu um apoio muito grande pra gente, então também devemos agradecer ele também".

Entre outros assuntos, Castan comentou sobre sua idolatria e identificação com o Vasco, clube que defende desde 2018. Com 33 anos, ele falou sobre se aposentar: "Enquanto eu estiver conseguindo chegar nos atacantes, dando carrinho, eu vou jogar bola".

 

Leia também