Caso de racismo na Olimpíada envolvendo treinador de ciclismo da Alemanha sofre reviravolta

·1 minuto de leitura


Patrick Moster, diretor esportivo da equipe de ciclismo, foi enviado de volta à Alemanha após usar termos racistas em uma prova de ciclismo da última quarta-feira (29). Durante o circuito, Moster diminuiu Amanuel Ghebreigzabhier, da Eritreia, e Azzedine Lagab, da Argélia, ciclistas que estavam a frente de Nikias Arndt, atleta alemão.
+ Confira todos os resultados do futebol masculino na Olimpíada

Como a transmissão era ao vivo, o caso teve grande repercussão internacional. Para incentivar Nikias, o treinador gritou: 'Alcance os montadores de camelo'.

Diante do ocorrido, Patrick Moster se desculpou.

- Sinto muito, o mínimo que posso fazer é me desculpar... isso não deveria ter acontecido - afirmou.

- Estamos convencidos de que suas desculpas públicas por suas declarações racistas de ontem são sinceras, mas com esse deslize, Moster violou os valores do Olimpismo - disse o presidente do Comitê Olímpico Alemão (DOSB), Alfons Hörman.

Nikias Arndt - que terminou na 19° posição - também se posicionou contra o caso em que considerou 'inaceitável'.

- Estou chocado e quero dizer claramente que nada tenho a ver com essas declarações, as palavras usadas são inaceitáveis - ponderou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos