Caso de Covid volta a pôr centenas de tenistas em isolamento na Austrália

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Todos as partidas programadas para esta quinta-feira (4) em Melbourne, onde acontecem seis torneios preparatórios para o Australian Open, foram adiadas. Isso deve à detecção de Covid-19 no exame de um funcionário de um dos hotéis onde ficaram hospedados tenistas e outros credenciados para o Grand Slam durante duas semanas. Assim, todas as pessoas relacionadas ao torneio que passaram a quarentena nesse hotel (de 500 a 600) deverão fazer testes e ficar isoladas até que recebam um resultado negativo, de acordo com a organização do evento. "Vamos trabalhar com todas as partes para realizar os testes o mais rápido possível", disseram os organizadores. A Austrália é um dos países com regras mais rígidas no controle da pandemia e aceitou receber centenas de tenistas para os torneios sob condições restritas. Ainda assim, a oposição ao governo australiano criticou exceções abertas para os atletas que chegaram ao país. Durante as duas semanas de quarentena, um grupo maior pôde sair do quarto do hotel para treinar e se alimentar, sob monitoramento, por até cinco horas diárias. Já 72 atletas tiveram que ficar os 14 dias no quarto, porque viajaram em voos com pessoas que receberam diagnóstico positivo ao chegarem ao país. Cinquenta jogos estavam programados para quinta-feira no Melbourne Park, onde, devido a obrigações sanitárias, a ATP Cup, dois outros torneios masculinos e três femininos são disputados em paralelo nesta semana. O primeiro-ministro do estado de Victoria, Daniel Andrews, afirmou não esperar que essa situação tenha impacto no programa do primeiro Grand Slam do ano, que começa na segunda-feira (8).