Casagrande reprova discurso de presidente da Fifa: 'É melhor não falar nada'

Walter Casagrande criticou a entrevista concedida por Gianni Infantino (Foto: Reprodução/UOL)


Às vésperas do início da Copa do Mundo, o presidente da Fifa, Gianni Infantino concedeu uma entrevista coletiva e fez um longo discurso e gerou polêmica ao afirmar que se sentia 'gay, africano, árabe, imigrante e deficiente' para dizer que a entidade se preocupa com a diversidade. Revoltado, o comentarista Walter Casagrande criticiou duramente a fala do mandatário.

Durante o programa 'UOL News Esporte', Casagrande não perdoou e afirmou que era melhor Infantino 'não ter falado nada'.


- Era melhor ter ficado quieto. É melhor não falar nada. Por que nessa questão relacionada a preconceito e direitos humanos, se você vai tentar defender, ou transferir, passar de réu, de país que não respeita os direitos humanos para vítima de preconceito, isso é uma questão muito absurda - disse.

+ Copa do Mundo: presidente da Fifa comenta proibição da cerveja e diz que torcedores 'vão sobreviver'

- A questão dele falar 'eu sou gay', 'eu me sinto imigrante', 'eu me sinto um trabalhador', isso ou aquilo, é a mesma coisa que qualquer um de nós aqui, que somos antirracistas, falar que sentimos na pele como um negro se sente quando é agredido por injúria racial. A gente não sente na pele. A gente só é antirracista - completou.

Casagrande também comentou sobre os costumes do Qatar, mas frisou que isso não pode restringir os torcedores que chegam de todas as partes do planeta.

+ Lembra dela? Veja por onde anda Larissa Riquelme, musa da Copa do Mundo 2010

- Não é aceitável, nunca foi, não respeitar os direitos humanos. Não respeitar os direitos das mulheres. Não respeitar as diferenças. Isso aqui é uma questão absurda. É um país em que são poucos os que vivem como eles vivem. E não é o mundo que tem que se adaptar a isso. É o país-sede, que vai receber a Copa do Mundo, que tem que fazer com que as pessoas que chegam se sintam a vontade.