Carlos Nuzman disputa eleição presidencial na Odepa

Por Pedro REPARAZ
O presidente do Comitê Olímpico e Paralímpico brasileiro, Carlos Nuzman, em Tóquio, em 28 de novembro de 2016

Depois de dois anos dirigida pelo uruguaio Julio César Maglione, a Organização Esportiva Panamericana (Odepa) vai eleger o novo presidente, nesta quarta-feira, sob olhares do presidente do Comitê Olímpico Internacional, o alemão Thomas Bach.

O brasileiro Carlos Nuzman, presidente do Comitê Olímpico Brasileiro, disputa o cargo com os homólogos Neven Iván Ilic, (Chile) e José Joaquín Puello (República Dominicana). Nuzman é um dos favoritos, enquanto Ilic corre por fora.

"Acho que todos os candidatos são muito bons. Sei que têm boas condições para escolher os destinos da Odepa daqui para frente", avaliou Maglione em entrevista à AFP. O uruguaio ocupa o cargo de maneira interina desde a morte do mexicano Mario Vázquez Raña, em 2015.

Em dois dias cheios de apresentações, o mundo do esporte vai colocar o foco em Punta del Este, a 140 quilômetros da capital Montevidéu, onde estarão presentes delegados dos 41 Comitês Olímpicos Nacionais que vão votar. São esperados entre 300 e 350 dirigentes.

"Isso que é o importante", lembrou Maglione, que "está feliz depois dos dois anos à frente da Odepa e com a tranquilidade de ter cumprido o que foi proposto na Assembleia Geral da instituição".