Carille valoriza testes durante o período de jejum de vitórias

Fábio Carille conseguiu encontrar um ponto positivo no período de 20 dias que o Corinthians passou sem conquistar uma vitória. Após voltar a ganhar nesta quarta-feira – 3 a 1 sobre o Linense, em Itaquera –, o técnico lembrou que fez muitos testes na sua formação titular durante o período de jejum.

“Já tinha deixado bem claro que é muito ruim mesmo um time desse tamanho ficar cinco jogos sem vencer. Por outro lado, pude analisar bem o grupo. Tenho certeza de que usaremos muitos jogadores nas nove decisões que temos pela frente. Acho que isso (tantos jogos eliminatórios em sequência) nunca aconteceu na história do Corinthians. Então, foi importante rodar os meninos”, comentou Carille.

Antes de derrotar o Linense com uma boa atuação, o Corinthians acumulou empates por 1 a 1 com Ponte Preta, Luverdense, Red Bull Brasil e São Paulo, além de ter amargado uma derrota por 1 a 0 para a Ferroviária. Nesses jogos, Carille poupou titulares e abriu espaço para muitos jovens oriundos das categorias de base mostrarem serviço.

Contra o Linense, por exemplo, a formação corintiana tinha o goleiro Caíque, o lateral direito Léo Príncipe, o zagueiro Pedro Henrique e os atacantes Léo Jabá e Pedrinho. Todos perderão espaço com a série de jogos eliminatórios contra Botafogo-SP, pelo Campeonato Paulista, Universidad de Chile, pela Copa Sul-Americana, e Internacional, pela Copa do Brasil.

“Vamos projetar jogo a jogo. O próximo será contra o Botafogo-SP. Depois disso, no decorrer do mês, teremos muito cuidado, dando descanso para quem estiver jogando mais, para o time ficar com as pilhas recarregadas. Usaremos muitos jogadores em abril”, avisou Carille.

Mesmo com a sua recente queda de rendimento, o Corinthians terminou a fase classificatória do Campeonato Paulista com 24 pontos, ostentando a segunda melhor campanha do torneio. “É para deixar o torcedor animado. Ficamos um ponto atrás do Palmeiras, dois à frente do Santos e quatro à frente do São Paulo. Falei que os garotos oscilariam, como aconteceu com o Léo Príncipe e o Léo Jabá, que voltaram a atuar bem. É assim que a gente vai caminhando”, concluiu o satisfeito Fábio Carille.