Carille rejeita favoritismo em decisão contra a Ponte Preta

Acostumado a ser visto como azarão nos grandes jogos que disputa, o técnico Fábio Carille não quer para o Corinthians o rótulo de favorito ao título do Campeonato Paulista. Ele passou a combater esse cenário logo após o empate por 1 a 1 com o São Paulo, em Itaquera, que classificou a sua equipe a enfrentar a Ponte Preta na decisão.

“Não vou trazer favoritismo para o Corinthians. Nos últimos três anos, o Ituano foi campeão e o Audax acabou perdendo, mas jogando muito. Então, é 50% para cada um. Será uma grande final, com dois grandes jogos”, anteviu Carille.

O técnico se referiu à surpreendente vitória do Ituano sobre o Santos na decisão estadual de 2014. O clube da Vila Belmiro conquistou o troféu nos dois anos seguintes, em cima de Palmeiras em 2015 e Grêmio Osasco Audax em 2016.

Para comprovar o seu respeito à Ponte Preta, Carille não se apegou somente aos pequenos clubes que fizeram recentes boas campanhas no Paulista. Ele também elogiou o que tem produzido o time dirigido por Gilson Kleina nesta temporada.

“A Ponte tem uma equipe com muita velocidade do meio para a frente, com o Jadson, o Clayson, o Lucca e o Pottker. Na linha de trás, o Fernando Bob e o Elton têm muita qualidade de passe. E a linha defensiva é bem armada”, enalteceu Carille, observando que tem até uma ligação com o treinador adversário. “O Gilson foi meu preparador físico quando eu era jogador do Coritina. Ele é ótimo, construiu um time organizado, que sabe o que quer.”

Fábio Carille começará a preparar o Corinthians para enfrentar a Ponte Preta de Kleina a partir de terça-feira, quando os seus comandados irão se reapresentar no CT Joaquim Grava. Não haverá compromisso no meio de semana, já que o time da capital paulista foi eliminado da Copa do Brasil pelo Internacional, na última quarta-feira.

“Infelizmente, não vamos jogar pela Copa do Brasil. Assim, chegamos com forças iguais às da Ponte Preta em termos de preparação”, equiparou mais uma vez Carille, de olho nos seus atletas que não se encontram em perfeitas condições físicas. “Vários deles estão indo a campo com dores. Poderemos recuperá-los”, disse.