Carille brinca com presença de Tite no clássico: “Está com medo de mim”

O técnico Fábio Carille abandonou pela primeira vez em quase três meses de trabalho o tom sério e calmo que marca as suas entrevistas. Contente por mais uma vitória em clássicos, dessa vez contra o Santos, novamente por 1 a 0, ele foi questionado sobre a presença do técnico da Seleção Brasileira, Tite, na partida. Após abrir um sorriso, ele disse que teria uma revelação para fazer sobre o motivo da visita do ex-companheiro de clube.

“Sabe por que ele veio aqui? Porque o Tite está com medo de mim”, brincou o comandante, arrancando risos inesperados dos presentes à sua coletiva. “Ele não está indo bem na Seleção e está com medo, é normal, eu entendo”, continuou Carille, antes de tentar dar um pouco mais de seriedade a respeito da aparição do ex-treinador, bicampeão brasileiro, campeão da Libertadores e do Mundial enquanto esteve no Timão.

“Não teve nenhum contato direto com o Tite, não, apenas por meio de mensagem. Falo com ele, cinco anos e meio juntos, é um pai dentro do futebol. Mas está com medo de mim”, observou o corintiano, que gostou bastante do futebol apresentado por seus comandados contra o Peixe.

“No primeiro tempo nós conseguimos ter uma intensidade maior. Já era esperado isso, principalmente por causa do desgaste de Brusque, enquanto o time do Santos teve uma semana limpa para treinar. Por isso esperei bastante para fazer as substituições, foram todas mais pelo cansaço. Romero, Rodriguinho e Jô pediram para sair e eu tive de mudar”, comentou Carille, contente com a confiança adquirida.

“Agrega a questão da confiança, sou um cara muito tranquilo, muito ciente do que está acontecendo. Mas sei que foi muito pesado e eu não sei como eles receberam por não conhecê-los. A preocupação maior mesmo foi de passar confiança, ter uma linha de trabalho e que eles cumprissem essa linha de trabalho. Com tudo isso os resultados estão aparecendo”, avaliou, projetando resultados ainda melhores no decorrer do ano.

“Desde a minha apresentação houve muita desconfiança, se falou muito e eu deixei claro que ia ser um time bem organizado. Eu sabia que, com o trabalho, a entrega, a torcida ia vir conosco. Com os resultados, vai dando uma tranquilidade para melhorar os outros setores. Se eu chegasse agora, o susto ia ser maior, mas já trabalho aqui faz tempo e sei como é. O caminho é esse, repetição, tática, temos muito a crescer ainda”, concluiu.