Capitão, Thiago Silva cita confiança e nervosismo na véspera da estreia na Copa

***ARQUIVO***MOSCOU, RÚSSIA, 27.06.2018 - O zagueiro Thiago Silva, capitão da seleção brasileira. (Foto: Eduardo Knapp/Folhapress)
***ARQUIVO***MOSCOU, RÚSSIA, 27.06.2018 - O zagueiro Thiago Silva, capitão da seleção brasileira. (Foto: Eduardo Knapp/Folhapress)

DOHA, QATAR (FOLHAPRESS) - Escolhido para ser o capitão da seleção brasileira na estreia da equipe na Copa do Mundo, Thiago Silva disse sentir, na véspera da partida contra a Sérvia, uma mistura de confiança e nervosismo.

"Sempre estive bem preparado para todas as situações. É um momento especial e agradeço a confiança da comissão técnica para ser capitão neste jogo" declarou o zagueiro em entrevista a jornalistas.

"É tiro curto e a gente em de estar superpreparado porque sabe que o empate no primeiro jogo dá uma pressão extra. Nervosismo faz parte, mas a gente está preparado para isso", acrescentou o jogador de 38 anos.

O jogo diante da Sérvia é nesta quinta-feira, às 16h (de Brasília), no estádio Lusail, o mesmo que abrigará a decisão do Mundial do Qatar.

Thiago Silva, que foi capitão e titular da seleção na Copa de 2014, quando o Brasil ficou na quarta posição na Copa em casa, disse ainda que "o que a gente pode passar para o torcedor é o que a gente passa entre nós. De acreditar no que fizemos até este momento. Uma posição favorável de estar bem em todos os sentidos".

O jogador do inglês Chelsea, que formará com Marquinhos, do francês PSG, a dupla de zaga da equipe de Tite, enfatizou que o clima nos treinamentos e o ambiente da seleção são muito bons.

Thiago Silva citou também a última conquista do Brasil em Copa do Mundo, o pentacampeonato, na Coreia do Sul e no Japão, 20 anos atrás

"O fato de termos vencido em 2002 serve de grande inspiração para todos nós. No CT [centro de treinamento] tem algumas imagens não só de 2002 como de todas as seleções [brasileiras] que marcaram na história. Isso nos deixa confiantes e motivados".

O capitão da seleção prosseguiu: "A gente sabe que depende apenas das nossas próprias forças. A atmosfera entre a gente é supersaudável. A gente procura ser nós mesmos, independentemente de onde a gente esteja. Mistura de [jogadores] experientes com mais jovens traz uma conexão legal".

Ter no time, em ampla maioria, atletas acostumados a atuar nas grandes ligas nacionais europeias é um trunfo no Mundial, segundo Thiago Silva, principalmente para os estreantes no torneio.

"O fato de esses jogadores que estão disputando a primeira Copa do Mundo são jogadores acostumados a grandes jogos na Europa. Ganharam Champions League e foram decisivos, com o Vini [Vinicius Junior]. Eles têm de ser eles, sem inventar. No nosso grupo não tem vaidade nenhuma."