Após cancelamento desta sexta, F1 quer alternativa para o clima

O mau tempo cancelou a segunda sessão de treinos livres do GP da China na madrugada desta sexta-feira. Com pouca visibilidade na pista, a organização da prova resolveu suspender as atividades, frustrando os apaixonados fãs que compareceram para acompanhar nomes como Lewis Hamilton e Sebastian Vettel.

O novo diretor esportivo da Fórmula 1 Ross Brawn também não ficou contente com o fato de ter que cancelar a segunda sessão desta sexta-feira. O britânico que já foi campeão mundial da categoria com sua própria equipe, a Brawn GP, em 2009, afirmou que é preciso planejar algo para os fãs que possa substituir o treino quando as condições climáticas não ajudarem.

“Precisamos de um plano quando coisas assim acontecem. Deveríamos abrir o paddock para os fãs? No fim do dia, todos estão esperando um show. Ao mesmo tempo, há uma outra maneira de resgatar a situação? É nossa responsabilidade coletiva tomar conta dos torcedores. Se isso acontecer de novo, porque vai, o que poderemos fazer para entreter os fãs? É o melhor que podemos fazer, não podemos mudar o clima”, disse Brawn.

Já o principal piloto do grid, Lewis Hamilton, aproveitou o ocorrido para sugerir pequenas mudanças aos novos detentores da Fórmula 1. O piloto tricampeão mundial acredita que o número de voltas que todos dão na pista no primeiro dia de treino é pouco. Visando um evento maior para quem acompanha a categoria, o britânico quer mais.

“Nesses dias há muita expectativa, mas pouca corrida. Nós damos 22, 28 voltas na primeira sessão e a mesma distância é percorrida na segunda. Não é muito e deveria ser mais divertido, mais desafiador. Eles podem apimentar o fim de semana de alguma maneira. Vejo isso como uma oportunidade para que os novos chefes sejam criativos. Definitivamente precisamos achar uma solução para que não precisemos ficar sem reação em momentos como esse”, afirmou Hamilton.