Campeão pelo Galo, Rafael conta que ele e sua família receberam ameaças por ter deixado o Cruzeiro

Valinor Conteúdo
·3 minuto de leitura
Rafael assumiu a meta do Galo após deixar o Cruzeiro (Pedro Souza / Agência Galo)
Rafael assumiu a meta do Galo após deixar o Cruzeiro (Pedro Souza / Agência Galo)

O goleiro Rafael, do Atlético-MG, conseguiu o seu tricampeonato mineiro seguido ao ganhar o título pelo pelo Atlético-MG, no último domingo, na decisão contra o Tombense. O arqueiro venceu em 2018 e 2019 pelo Cruzeiro, mas como reserva, sendo a primeira conquista como titular já vestindo a camisa alvinegra.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Esportes no Google News

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Agora campeão pelo Galo e vencendo a desconfiança do atleticano e em alguns casos, a contrariedade dos cruzeirenses, por ele ter trocado a Raposa pelo arquirrival. Rafael revelou que sofreu perseguição e ameaças de torcedores, sendo obrigado a chamar a polícia e pensar na proteção da sua família.

Leia também:

- Eu vivi um momento difícil da transição com ameaças. Tive que trocar de carro, tive que mudar de casa. Sofri muito e a minha família também. Ameaças todos os dias e o tempo inteiro. Tivemos que passar muitas coisas para a polícia - contou o goleiro em entrevista à Rádio Itatiaia.

A ira contra Rafael, estúpida por sinal, tem origem na sua criação no Cruzeiro, onde ficou dos 13 aos 30 anos. O jogador disse que até número de celular ele teve de mudar, pois recebia mensagens ameaçadoras.

- Descobriram os números de celular meu e da minha família, da minha esposa. Mandaram ameaças. E a gente nunca sabe o que é verdade e o que não é, o que pode acontecer. Fiquei um tempo sem poder sair também. Infelizmente, não é um problema que envolve somente o torcedor. São pequenas pessoas que fazem isso em todos os âmbitos, seja na política, no futebol, na sociedade em geral. Existem pessoas intolerantes e acabam, de alguma forma, fazendo o mal - contou.

Todavia, como todo mau momento na vida, Rafael contou que teve apoio e conseguiu passar por essas dificuldades.

- Mas também teve muitas pessoas que me apoiaram. Eu procuro fazer coisas boas e escutar as pessoas boas. Graças a Deus nós passamos por isso, e eu a minha família estamos seguros-disse o goleiro que também venceu a desconfiança do técnico Jorge Sampaoli, que pediu um jogador da posição que soubesse jogar com os pés.

As boas atuações diluíram dúvidas do argentino quanto à capacidade de Rafael na meta atleticana.

- Temos treinado muito saídas com os pés e acho que a evolução é notória dentro de campo, nos treinos e nos jogos. A cada dia a gente vem aprimorando e isso aumenta a confiança na saída de bola. Como a gente vive muito numa zona de alerta, de perigo, onde não pode haver erro, claro que muitas vezes a gente opta por um direcionamento mais longo. Mas o Sampaoli nos passa confiança e isso tem nos ajudado-explicou, para em seguida falar que vem melhorando seu jogo com os pés.

- A confiança não vem só de dominar bem a bola, passar bem a bola, é também saber onde estão os jogadores livres. É isso o que vai te ajudar a encontrar o passe mais rápido, para sairmos de uma situação de perigo. A maioria dos times sabe que fazemos essa saída e acaba pressionando. Eu tenho aprendido muito e estou muito feliz com isso, é uma realidade no futebol - concluiu.