Campeão mundial com Lars Grael, Samuel Gonçalves celebra nova parceria no Sul-Americano de Star

·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.


Campeão mundial de Star em 2015 ao lado de Lars Grael, Samuel Gonçalves é uma das atrações do Sul-Americano da classe, que acontece entre 12 e 15 de novembro, no Yacht Club de Ilhabela (YCI), no litoral norte de São Paulo.

O fluminense de Niterói, cria do Projeto Grael, formará uma dupla inédita com Pedro Lodovici, timoneiro experiente da Finn, classe que deixou o programa olímpico após Tóquio 2020. Uma vez que, no vento em popa, o balanço de barco e a forma de velejar do Star e do Finn são bem semelhantes, as expectativas são de uma parceria de sucesso.

Na última semana, os dois encerraram a participação no Paulista de Star, em São Paulo, na quinta colocação, em uma prévia do tradicional evento continental.

- É muito positiva a junção da minha expertise de Star em regulagem, na capacidade de fazer o barco andar rápido, com a do Pedro no Finn. O barco está rápido. O Paulista foi um bom teste. Cometemos algumas falhas táticas, mas ficar em quinto lugar, a apenas um ponto do quarto colocado, é uma prova de que estamos no caminho certo - afirmou Samuel.

O atleta veleja de Star desde 2007. Em quase 15 anos de trajetória, e os parceiros mudaram muito. Ele lembra que cada um tem sua forma particular de conduzir o barco, e existem diferenças de detalhes entre cada timoneiro.

- Alguns preferem potência e outros de andar mais contra o vento. A forma de comunicação é a principal diferença. Alguns são mais compenetrados e não passam muita informação. Outros precisam muito disso. O Lars gosta muito de saber a posição dos outros velejadores. Eu e Pedro estamos nos conhecendo, e o diálogo tem sido muito importante - destaca o campeão mundial.

- É a primeira campanha do Pedro no Star, e eu espero que ele siga na classe. O Lars já tinha uma plano de carreira de correr campeonatos no exterior. Sempre estávamos entre os três primeiros nas competições que disputamos - completou Samuel.

Outros campeões mundiais em ação no Campeonato Sul-Americano de Star são Robert Scheidt, que venceu as edições de 2006 e 2018 e terá ao seu lado pela primeira vez o proeiro Ubiratan Matos; Guilherme de Almeida, proeiro de Juninho de Jesus; e Jorge Zariff, que velejará com o proeiro Arthur Lopes. Atual tricampeão brasileiro, Lars não disputará a competição deste ano por causa de uma lesão.

O Campeonato Sul-Americano de Star é realizado desde 1952 e as regatas de Ilhabela (SP) marcam a edição número 51 da tradicional competição. Os vencedores podem usar em suas velas a estrela de prata.

Os maiores campeões são Lars Grael, Torben Grael e Dingo Schoonmaker (EUA), todos com cinco títulos. A família Grael tem ao todo 11 conquistas sul-americanas da classe Star.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos