Caminho do Flamengo para bater o River Plate pode estar no alto

A equipe argentina enfrenta grandes dificuldades quando precisa se defender em bolas paradas
A equipe argentina enfrenta grandes dificuldades quando precisa se defender em bolas paradas

As últimas entrevistas coletivas de Flamengo e River Plate antes da final da Libertadores, neste sábado (23), rodearam por vários assuntos. O respeito pelo adversário e a consciência de que o fator mental também desempenhará um papel decisivo foram alguns dos principais e estiveram presentes nas falas tanto de Jorge Jesus quanto de Marcelo Gallardo.

Tanto a equipe argentina quanto a brasileira já provaram, a primeira ao longo dos últimos anos e a segunda nos últimos meses, que possuem a força mental que está no DNA dos times campeões no futebol moderno. Mas quem sabe usar melhor a cabeça é o Flamengo, e isso pode ser decisivo na hora de definir o título continental.

Evidente que estamos falando de “usar a cabeça” como recurso de jogo aéreo.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Apenas nesta campanha de Libertadores, o Flamengo fez quatro gols, do total de 22 até aqui, de cabeça (18% do total). Através da bola parada foram 32% do todo. O River Plate sofreu apenas um gol de cabeça até chegar à final, mas demonstra uma grande dificuldade quando precisa se defender pelo alto em jogadas de bola parada.

Nos 5 a 0 sobre o Grêmio, o Flamengo fez três gols após bolas aéreas: Gabigol fez o segundo, arrematando com o pé direito, após escanteio cobrado por Arrascaeta e os zagueiros Pablo Marí e Rodrigo Caio finalizaram a goleada de cabeça.

Além das jogadas ensaiadas que Jorge Jesus já treinou no Peru, o Flamengo tem jogadores mais altos. Pablo Marí (1,93m), Rodrigo Caio (1,82m) e Bruno Henrique (1,84m) não são menores em estatura do que nenhum dos jogadores que Marcelo Gallardo já confirmou no time titular para amanhã.

Evidente que o título pode ser resolvido com gols de diversas formas, mas a bola aérea (seja com gol de cabeça ou desvio pelo alto antes de outra finalização) será uma grande arma do Flamengo.

Leia também