Cairo não se intimida com briga por posição: "Competição me faz melhor"

Yahoo Esportes
Cairo Santos durante a última temporada com os Buccaneers (Cliff Welch/Icon Sportswire via Getty Images)
Cairo Santos durante a última temporada com os Buccaneers (Cliff Welch/Icon Sportswire via Getty Images)

Depois da tempestade vem a bonança. Esse popular ditado é tudo que o jogador de futebol americano brasileiro Cairo Santos quer ouvir nesta temporada da NFL.

Primeiro brasileiro a atuar na liga americana e ativo desde 2014, Cairo viveu altos e baixos nos últimos anos. O jogador foi de uma carreira estável e saudável no Kansas City Chiefs, onde permaneceu por três anos, atuando em todos os 32 jogos do time e conquistando a admiração da torcida, para uma série de problemas com lesões que resultaram em um inesperado corte em 2017 pelo time onde era ídolo e uma série de experiências frustrantes com Chicago Bears, New York Jets e Los Angeles Rams.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Leia também:

Em novembro de 2018, porém, o jogador finalmente conseguiu voltar a se firmar em Tampa Bay, no time dos Buccaneers. Voltou a ser eficiente nos chutes, acertando 9 de 12 tentativas nos 7 jogos da temporada regular que disputou. Sua performance lhe garantiu em março deste ano uma extensão de contrato para a temporada 2019/20.

Neste training camp, período de tempo que antecede o início da temporada regular, Cairo celebrou a volta de seu bom estado físico e declarou que isso está sendo fundamental em seus preparativos para a temporada regular que se inicia em setembro.

“Acima de tudo eu estou muito feliz pela saúde. Eu me sinto muito mais forte do que eu sentia no meu auge em Kansas City”, disse o jogador em entrevista ao Yahoo Esportes. “Estou muito feliz por estar chutando da mesma forma que eu chutava antes da lesão,” concluiu.

Cairo destacou também a cidade de Tampa como peça fundamental em sua pré-temporada. O jogador não sofre com o calor e a umidade do verão da Flórida pelo fato de ter morado no estado durante doze anos. Além disso, se diz motivado pela presença da comunidade brasileira na região.

“Tampa é bem gostoso. Lembra mais o Brasil. Eu moro na Flórida já há doze anos então me sinto em casa. Aqui tem mais amigos e familiares que vem visitar os treinos e os jogos. A comunidade brasileira é maior do que lá no meio de Kansas City, então eu tenho uma proximidade maior com a cultura do nosso país e isso me deixa em casa e muito motivado.”

Apesar de se sentir bem, em casa e estar de volta a velha forma, Cairo não está totalmente seguro no grupo de 53 jogadores que integrarão o elenco que disputará a temporada regular. Com a escolha de quinta rodada do Draft de 2019, os Buccaneers selecionaram o kicker Matt Gay, da universidade de Utah. O calouro tem ido bem no training camp e acertou também um field goal longo de 55 jogos na primeira partida de pré-temporada do time contra o Pittsburgh Steelers.

Como é incomum uma equipe ter dois kickers no elenco final, existe a chance de Cairo ser dispensado. Cairo, entretanto, não vê isso como problema e sim como uma oportunidade de melhorar:

“Competição é o que mais se espera quando você joga na NFL. Eu, a cada dia, quero ser a melhor versão de mim e colocar isso nos jogos. Eu esperava competição e acho que isso me fazer um kicker melhor”, disse.

Siga o Yahoo Esportes

Twitter | Instagram | Facebook | Spotify | iTunes | Playerhunter

Leia também