Caio Ibelli está a uma bateria das quartas de Bells Beach

Gabriel Medina perde no fim e se despede da última etapa da perna australiana; Wiggolly Danta vence primeira bateria na temporada

O paulista Caio Ibelli foi o destaque do Brasil nas ótimas ondas de Bells Beach e de Winkipop. Ele fez grandes apresentações no duelo brasileiro com o pernambucano Ian Gouveia na repescagem e contra o taitiano Michel Bourez pelo Round 3, sempre ultrapassando a barreira dos 17 pontos. A segunda vitória garantiu o paulista nas quartas de final da última etapa da perna australiana. Já Wiggolly Dantas festejou sua primeira vitória em baterias neste ano. Já campeão mundial Gabriel Medina foi eliminado pelo português Frederico Morais na abertura da terceira fase, terminando com o 13º lugar. O próximo desafio é no Brasil, de nove a 20 de maio, em Saquarema (RJ).

- Eu estava surfando com uma prancha desde que cheguei em Bells e na bateria com o Ian (Gouveia) decidi surfar com uma maior, que ainda não tinha usado aqui. Com a mudança, eu pude botar mais força e pressão nas manobras. Acho que foi uma boa escolha e estou amarradão de passar. Bells é um lugar especial, eu e o Ian sempre surfamos juntos e a bateria deu muita onda boa para nós dois. Não parava de entrar onda, a gente fazia uma até a beira, remava por 3 minutos de volta até o fundo, respirava por 20 segundos e já vinha outra bomba. Foi bem cansativo, mas foi animal - contou Caio Ibelli.


O duelo brasileiro foi o último disputado antes da maré começar a encher. Caio começou bem a bateria, com uma combinação de fortes batidas e rasgadas para largar na frente com nota 8,33. Logo ele surfou outra boa onda com o mesmo ataque para tirar 8,17. Ian Gouveia respondeu com um backside agressivo e entrou na briga com nota 8,67. Mas, Caio confirmou a vitória por 17,26 a 14,67 pontos, massacrando outra onda excelente que valeu nota 8,93.

Antes dessa bateria, dois brasileiros já haviam sido eliminados e também terminado em 25º, como Ian Gouveia. O vencedor da triagem, Samuel Pupo, não teve chances contra um inspirado Joel Parkinson (AUS) na segunda bateria do dia, encerrada em 16,57 a 12,83 pontos. E o potiguar Jadson André só surfou uma onda contra outro australiano, Connor O´Leary, que venceu fácil por 13,00 a 6,33 pontos.

Mais dois brasileiros disputaram a repescagem nas direitas de Winkipop. No novo pico, quem brilhou foi o português Frederico Morais, que se tornou um carrasco dos brasileiros. A primeira vítima foi Miguel Pupo, que surfou uma onda de forma excelente que valeu nota 9,37. Só que o português fez três grandes apresentações e somou 9,67 com 8,27 para vencer por 17,94 a 14,87 pontos.

Ainda na respescagem, Wiggolly Dantas finalmente conseguiu vencer sua primeira bateria do ano no WCT. Ele já tinha surfado bem em Margaret River e conseguiu mostrar a força do seu backside de novo, dessa vez com mais eficiência e inteligência. Ele escolheu boas ondas para liquidar Kanoa Igarashi (EUA) com a nota 9,33 que tirou em sua última atuação nas direitas de Winkipop. O surfista de Ubatuba já tinha recebido um 7,67 em sua primeira onda e totalizou 17,00 pontos contra 15,80 do norte-americano. Wiggolly agora vai enfrentar o defensor do título da etapa, Matt Wilkinson.

Português elimina Medina do Round 3

A segunda fase acabou e já começou a terceira, com Frederico Moraes enfrentando o campeão mundial Gabriel Medina na primeira bateria. Ele usou uma tática que acabou dando certo. A bateria começou com uma batalha pela prioridade de surfar a primeira onda e o brasileiro largou na frente com notas 6,00 e 7,57 nas duas primeiras que surfou. Não entraram muitas ondas boas, então a escolha das melhores era fundamental. Frederico não desperdiçou a primeira chance, manobrando forte numa direita que valeu nota 8,77. Ele ainda precisava de 4,80 para vencer e esperou até o último minuto, quando entrou uma onda para ele tirar 5,17 e vencer por uma pequena diferença de 13,94 a 13,57 pontos.

- Eu sabia que ia ser uma bateria bem agressiva porque o Gabriel (Medina) é um oponente formidável. A bateria foi muito intensa nos primeiros minutos, pois nós ficamos disputando um melhor posicionamento no mar para surfar a primeira onda. Por sorte, eu tive a primeira onda boa da bateria, consegui uma pontuação excelente e fiquei numa posição mais cômoda do que ele. As ondas estão muito boas e espero continuar dando show para todas as pessoas que vêm aqui para Bells assistir o campeonato - disse Frederico Morais.












Logo após Frederico Morais deixar Gabriel Medina com o 13º lugar, Caio Ibelli fez outra grande apresentação no segundo duelo da terceira fase. Ele e o taitiano Michel Bourez acharam ótimas ondas para mostrarem o seu surfe. O brasileiro começou com nota 7,07 e na segunda onda fez uma combinação de três manobras muito potentes que arrancaram 9,13 dos juízes. O taitiano respondeu com 8,00, 6,33 e 8,10 em suas três melhores ondas, mas Caio Ibelli sacramentou a vitória com o 7,90 recebido em sua última, para fechar o placar em 17,03 a 16,10.

.@CaioIbelli takes the win over @michelspartan in #RipCurlPro #BellsBeach! Rd 3, Heat 2: https://t.co/99mkLAnxRY pic.twitter.com/JVi71Caz88

— World Surf League (@wsl) April 16, 2017

Caio Ibelli vai disputar a primeira vaga direta para as quartas de final com o português Frederico Morais e o australiano Owen Wright, que venceu o duelo australiano com Bede Durbidge na bateria seguinte. O segundo confronto da quarta fase também já foi formado e terá o atual campeão mundial John John Florence, o tricampeão Mick Fanning e o havaiano Sebastian Zietz.

Outros três brasileiros que continuam na disputa do título de Bells Beach. Pelo Round 3, o recordista absoluto do campeonato, Filipe Toledo, vai abrir o dia enfrentando o veterano australiano Adrian Buchan. O campeão mundial Adriano de Souza entra na seguinte com o francês Jeremy Flores. E a terceira do dia será entre Wiggolly Dantas e Matt Wilkinson. A próxima chamada do campeonato será neste domingo às 17h45 (horário de Brasília).

Confira os resultados do segundo dia de competições (masculina) em Bells:

Round 2

1: Jordy Smith (AFR) 18.40 x 8.83 Glyndyn Ringrose (AUS)
2: Joel Parkinson (AUS) 16.57 x 12.83 Samuel Pupo (BRA)
3: Sebastian Zietz (HAV) 16.93 x 16.84 Leonardo Fioravanti (ITA)
4: Ezekiel Lau (HAV) 18.40 X 16.40 Conner Coffin (EUA)
5: Connor O´Leary (AUS) 13.00 X 6.33 Jadson André (BRA)
6: Joan Duru (FRA) 16.24 X 14.60 Josh Kerr (AUS)
7: Caio Ibelli (BRA) 17.26 X 14.67 Ian Gouveia (BRA)
8: Mick Fanning (AUS) 18.20 X 12.03 Ethan Ewing (AUS)
9: Frederico Morais (PRT) 17.94 X 14.87 Miguel Pupo (BRA)
10: Bede Durbidge (AUS) 17.60 X 13.74 Stu Kennedy (AUS)
11: Wiggolly Dantas (BRA) 17.00 X 15.80 Kanoa Igarashi (EUA)
12: Jeremy Flores (FRA) 16.70 X 16.64 Jack Freestone (AUS)

Round 3

1: Frederico Morais (PRT) 13.94 X 13.57 Gabriel Medina (BRA)
2: Caio Ibelli (BRA) 17.03 X 16.10 Michel Bourez (TAH)
3: Owen Wright (AUS) 17.54 X 13.83 Bede Durbidge (AUS)
4: Mick Fanning (AUS) 13.50 X 12.43 Kelly Slater (EUA)
5: Sebastian Zietz (HAV) 17.07 X 17.04 Julian Wilson (AUS)
6: John John Florence (HAV) 14.34 X 11.43 Nat Young (EUA)
7: Ezekiel Lau (HAV) 14.00 X 12.33 Kolohe Andino (EUA)
8: Filipe Toledo (BRA) X Adrian Buchan (AUS)
9: Adriano de Souza (BRA) X Jeremy Flores (FRA)
10: Matt Wilkiinson (AUS) X Wiggolly Dantas (BRA)
11: Joel Parkinson (AUS) X Connor O´Leary (AUS)
12: Jordy Smith (AFR) X Joan Duru (FRA)

































E MAIS: