Caboclo tenta revogação imediata de afastamento para retomar presidência da CBF; dirigente é alvo de nova denúncia

·2 minuto de leitura

Acusado de assédio moral e sexual e moral a uma funcionária da Confederação Brasileira de Futebol, Rogério Caboclo foi afastado da presidência da entidade no começo de junho. No entanto, está tentando recuperar o posto.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Como informa a Folha, ele apresentou na sexta-feira uma petição à Comissão de Ética da CBF solicitando a revogação de sua suspensão e a consequente recondução ao cargo, no momento ocupado de forma interina pelo Coronel Nunes. Na visão de Caboclo, a decisão que culminou no seu afastamento não tem previsão legal tanto no Estatuto quanto no Código de Ética da confederação.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Os advogados citam, por exemplo, que Conmebol e Fifa explicitam essa previsão, imputando a suspensão do mandato de pessoas envolvidas em processos ético-disciplinares. O princípio da legalidade, conforme peça montada pela defesa de Caboclo, exige que “infrações e sanções sejam claramente e previamente definidas por lei e deve impedir ajustamento das regras existentes para permitir a sua aplicação em situações ou condutas que o legislador não pretendia penalizar claramente".

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Ainda se argumenta que a CBF se encontra acéfala, o que implica danos. Vem à tona a informação, por exemplo, de que Caboclo tinha pré-acordos com alguns clubes, agora descumpridos, para liberar atletas para defender a seleção brasileira na Olimpíada de Tóquio. É importante ressaltar que esta petição em nada tem a ver com a defesa do dirigente em relação ao processo instaurado para averiguação das irregularidades citadas. A mesma ainda está sendo preparada para apresentação futura à Comissão de Ética.

NOVA DENÚNCIA

Segundo o GE, Caboclo é alvo de nova denúncia, também por assédio moral. Ela partiu do diretor de Tecnologia da Informação da CBF, Fernando França. Ele afirma que "foi injuriado, difamado e sofreu agressões ameaçadoras, o que, sem dúvida, caracteriza abuso de poder e afronta ao princípio da moralidade". A Comissão de Ética da CBF foi acionada por conta deste caso no último dia 22

Quer saber como se prevenir do coronavírus? #FiqueEmCasa e clique ​aqui.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos