Caboclo demitiu braço direito antes de ser afastado da CBF

·2 minuto de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO: Walter Feldman,  ex-aliado e secretário-geral do presidente afastado da CBF, Rogério Caboclo. (Foto: Zanone Fraissat/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO: Walter Feldman, ex-aliado e secretário-geral do presidente afastado da CBF, Rogério Caboclo. (Foto: Zanone Fraissat/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Mesmo afastado da presidência da CBF, Rogério Caboclo conseguiu demitir o seu ex-aliado e secretário-geral Walter Feldman. 

Feldman recebeu na última segunda-feira (7) a carta de sua demissão do cargo. Portanto, quando Caboclo já havia sido afastado pelo Conselho de Ética. No entanto, o documento estava com data do dia 5, véspera da saída do dirigente. 

Leia também:

O presidente afastado tinha a intenção, segundo integrantes da diretoria da CBF disseram à reportagem, de demitir parte da direção da entidade, inclusive Feldman, após ter sofrido pressão para deixar o cargo e se defender das acusações de assédio sexual e moral, feitas por sua secretária. 

Feldman, no entanto, já foi readmitido pela gestão do presidente em exercício, coronel Nunes. A informação foi publicada inicialmente pelo UOL e confirmada pela reportagem. 

O secretário-geral foi um dos primeiros a aconselhar Caboclo a se licenciar do cargo. Outros dirigentes do futebol nacional fizeram o mesmo. Estes foram chamados de traidores, aos berros, pelo agora presidente afastado. 

Na última sexta-feira (4), quando a seleção brasileira jogou em Porto Alegre pelas Eliminatórias da Copa, os dois teriam discutido novamente o assunto. Diante de uma nova recusa de Caboclo, o secretário teria dito que trabalharia para o afastamento acontecer. 

A articulação culminou na saída por 30 dias do dirigente, via Conselho de Ética, e evitou as demais demissões. 

Essa não foi a primeira tentativa de afastar Caboclo do cargo. Nos últimos meses, ele estaria mais irritado do que o normal, o que respingou nas pessoas ao seu redor na entidade. 

Na última sexta, mesmo dia do jogo do Brasil contra o Equador, o GE revelou que uma assessora especial da presidência protocolou uma denúncia formal no Conselho de Ética da CBF contra o então presidente. No domingo (6), ele foi afastado. 

No mesmo dia, o Fantástico reproduziu áudios gravados pela funcionária, nos quais Caboclo faz perguntas de cunho pessoal e insinuações. 

Feldman é importante peça da articulação da entidade com o governo federal para a realização da Copa América e deve continuar nessa função após o afastamento de Caboclo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos