Caboclo é afastado da presidência da CBF por denúncias de assédio sexual e moral

·4 minuto de leitura

O presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Rogério Caboclo, foi afastado do cargo por trinta dias após uma denúncia de assédio sexual e moral por parte de uma funcionária da entidade, informou a instituição neste domingo.

"A CBF informa que recebeu na tarde deste domingo, 6, decisão da Comissão de Ética do Futebol Brasileiro suspendendo temporariamente (pelo prazo inicial de 30 dias) o Presidente Rogério Caboclo do exercício de suas funções", indicou a entidade em um comunicado.

Caboclo, de 48 anos, foi denunciado à Comissão de Ética na sexta-feira por uma funcionária da CBF, cuja identidade está sendo protegida, que aponta vários episódios de assédio sexual e moral nos últimos meses, segundo o portal Globo Esporte. O dirigente defende sua inocência.

Rogério Caboclo deixará o cargo uma semana antes do início da Copa América-2021 no Brasil, alvo de críticas por ser realizada em um país duramente atingido pela pandemia, e será substituído pelo vice-presidente Antônio Carlos Nunes de Lima, informou a CBF.

O afastamento do dirigente, que fica sujeito a multas, expulsão ou veto para participar de qualquer atividade relacionada ao futebol, além de possíveis repercussões criminais, encerra uma semana bastante tempestuosa para a Seleção.

- Conflito com jogadores e Tite -

A gestão da oficialização do Brasil como sede do torneio de seleções mais antigo do mundo, ao invés de Argentina e Colômbia, levou a conflitos com os jogadores e com a comissão técnica da Seleção comandada por Tite, segundo diversas publicações na mídia.

Os jogadores afirmaram terem sabido por meio da imprensa sobre a surpreendente escolha, na última segunda-feira, e teriam mostrado sua oposição ao torneio ser realizado no Brasil, segundo país mais afetado pela pandemia, com mais de 472,5 mil mortes, número superado apenas pelos Estados Unidos.

"Queremos falar, mas não queremos desviar o foco, porque isso (Eliminatórias) para nós é a Copa do Mundo", garantiu o capitão Casemiro na sexta-feira, após a vitória de 2 a 0 contra o Equador em Porto Alegre pela sétima rodada das Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Catar-2022.

Tite disse na quinta-feira que a posição do grupo sobre a ideia de disputar o torneio no Brasil foi "muito clara" e prometeu se manifestar após a partida contra os paraguaios na terça-feira em Assunção.

O apoio de Tite, de 60 anos, aos jogadores teria irritado ainda mais Caboclo, que pensa em substituí-lo, segundo relatos da imprensa. Porém, o treinador conta com o apoio do elenco.

"Vocês (jornalistas) podem levantar qualquer hipótese, só peço para terem cuidado. Eu vou me reportar sim, no momento oportuno. Não agora", disse Tite, de 60 anos, em entrevista coletiva após a vitória sobre os equatorianos.

O Brasil é líder isolado das Eliminatórias Sul-Americanas com uma campanha 100%: 15 pontos em cinco partidas disputadas.

- Novo abalo para a Copa América -

Caboclo assumiu a presidência da CBF em abril de 2019. Embora tenha projetado uma imagem progressista, com ênfase no apoio ao futebol feminino, recentemente seu caráter volátil começou a diminuir o apoio que recebia das federações regionais e clubes.

Determinado a manter a bola rolando no pior momento da pandemia no Brasil entre março e abril, com médias de até 4.000 mortes diárias, seu nome ficou no olho do furacão após a surpreendente nomeação do Brasil como anfitrião da Copa América, competição que já havia recebido e vencido em 2019.

Argentina e Colômbia, sedes originais de um torneio que deveria ter sido realizado em 2020, mas adiado para este ano devido à pandemia, deixaram a organização. O primeiro devido ao agravamento da situação de saúde e o segundo por causa da convulsão social que deixou dezenas de mortos.

Surpreendentemente, o Brasil assumiu a organização da quarta Copa América dos últimos seis anos, em meio a críticas de treinadores, jogadores e médicos devido à gravidade da pandemia e ao calendário sobrecarregado do futebol.

Além de possuir uma robusta infraestrutura esportiva, fortalecida pelas realizações da Copa do Mundo de 2014 e das Olimpíadas Rio-2016, o presidente Jair Bolsonaro apoia a Copa América, que deverá ser realizada no Rio, Cuiabá, Goiânia e Brasília entre os 13 de junho e 10 de julho.

raa/ma/aam

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos