Bundesliga poderá voltar em "meados ou fim de maio", segundo governantes alemães

AFP
Na Alemanha, maioria rejeita retomada do futebol
Na Alemanha, maioria rejeita retomada do futebol

Os ministros dos esportes dos estados federados alemães (Länder) estipulam que o campeonato de futebol retorne "em meados ou no final de maio" e com portões fechados, enquanto aguardam a autorização do governo para concluir uma temporada que foi suspensa devido à pandemia de coronavírus.

Os chefes de governo dos 16 estados consideraram "justificável" que o campeonato retorne com "estádios vazios" em "meados ou final de maio", em comunicado enviado após a reunião na segunda-feira.

"A Liga Alemã de Futebol deve estabelecer e impor medidas mais rígidas de higiene e condições médicas", disseram eles.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

A chanceler Angela Merkel deve se reunir na quinta-feira em Berlim com os governantes dos estados.

Na semana passada, a DFL anunciou que estava pronta para retomar a competição em 9 de maio, com portões fechados, aplicando medidas sanitárias e testando jogadores regularmente.

Esse possível volta da competição tornaria a Bundesliga a primeira das principais ligas europeias a retomar o futebol, interrompida desde meados de março, enquanto a Alemanha lança sua campanha de desconfinamento, em um país onde a COVID-19 deixou 6.000 mortos.

Políticos influentes, como o ministro da Saúde, Jens Spahn, apoiaram os planos de retomada da liga, que atualmente estão sendo analisados pelo ministro do Trabalho.

Os jornais Bild e Sueddeutsche Zeitung estimam que 9 de maio seja "provavelmente" muito cedo para retomar o campeonato.

O presidente do Borussia Dortmund, Hans-Joachim Watzke, observou que "toda a Bundesliga pode ir pelo ralo" se esta temporada não for retomada.

"Trata-se nada mais e nada menos de salvar o futebol", disse Watzke à Sky Sport News.

Os clubes alemães estão muito interessados em finalizar o campeonato antes de 30 de junho, para poder receber integralmente os direitos televisivos, cerca de 300 milhões de euros.

Leia também