Buffarini fica na bronca por expulsão e lembra: “Deixei a vida em campo”

O São Paulo jogou com um homem a menos nos últimos 19 minutos da partida contra o Defensa y Justicia-ARG, nesta quarta-feira, em Lanús, na grande Buenos Aires. Isso, por causa da expulsão do lateral Buffarini, após carrinho na entrada da área, aos 29 do segundo tempo. O argentino deixou o gramado aos prantos e só não virou o vilão da noite porque o Tricolor segurou o 0 a 0 até o apito final.

“Fiquei com muita bronca. Vinha sendo um ótimo jogo, mas na jogada tive que fechar senão o adversário sairia na cara do gol”, explicou o camisa 18. “Peço desculpas ao time, mas deixei a vida em campo”, lembrou.

Improvisado na lateral esquerda, já que Junior Tavares começou no banco de reservas, Buffarini encontrou dificuldades na marcação e precisou recorrer às faltas – foram seis na partida – para deter as jogadas adversárias. Tanto que havia sido advertido com o primeiro cartão amarelo logo aos cinco minutos do primeiro tempo.

Com Buffarini pendurado, o técnico Rogério Ceni preferiu colocar Junior Tavares no lugar do atacante Andres Chavez. Apenas seis minutos depois, o argentino levou o segundo amarelo deixou o gramado mais cedo. O Tricolor, porém, soube segurar a pressão dos argentinos e manteve o placar inalterado.

Ciente da má atuação, o argentino ao menos comemorou o empate. O São Paulo decide o confronto com o Defensa y Justicia-ARG em 11 de maio, no Morumbi. “O importante é que conseguimos um bom resultado e vamos definir em casa”, ponderou.