Bruno Fratus conquista o bronze nos 50 metros livre

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·4 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Fratus comemora com a medalha de bronze nos 50 metros livre (ATTILA KISBENEDEK/AFP via Getty Images)
Fratus comemora com a medalha de bronze nos 50 metros livre (ATTILA KISBENEDEK/AFP via Getty Images)

A tão desejada medalha olímpica de Bruno Fratus finalmente chegou. O carioca de Macaé conquistou o bronze na prova dos 50 metros livres, com o tempo de 21s57, neste sábado (31), nas Olimpíadas de Tóquio

Em Londres-2012 e no Rio de Janeiro, em 2016, o brasileiro bateu na trave, com um quarto e um sexto lugar, respectivamente. 

Leia também:

O norte-americano Caeleb Dressel ficou com o ouro, com 21s07, novo recorde olímpico. Mas ele não conseguiu bater a marca mundial, que ainda pertence e Cesar Cielo. O francês Florent Manadou levou a prata.

É a nona medalha do Brasil em Tóquio. Ítalo Ferreira se tornou o primeiro campeão olímpico do surfe, Kelvin Hoefler, Rayssa Leal (skate street) e Rebeca Andrade (ginástica artística) conquistaram prata, e Mayra Aguiar, Daniel Cargnin (judô), Fernando Scheffer, (natação) e a dupla Laura Pigossi e Luisa Stefani (tênis) levaram bronze. Abner Teixeira (boxe) já tem medalha garantida, mas ainda sem cor definida.

"Estava entalado desde 2011, quando foi o meu primeiro Mundial. Depois, em 2012, aquela Olimpíada 'do quase'. Depois do Rio principalmente... Foi um grito de 'finalmente medalhista olímpico, finalmente conquistei meu sonho que começou quando eu tinha 11 anos'", afirmou Fratus após a prova ao SporTV. "Não teria sido sem o apoio das pessoas, mas também não teria sido sem a palavra de quem duvidou."

Além do bronze olímpico, Fratus tem ainda quatro medalhas em Campeonatos Mundiais. Nos Jogos de Londres, quando cultivava uma rivalidade nacional na prova com Cielo, ele esteve muito perto de tirá-lo do pódio, mas isso não aconteceu. Faltaram dois centésimos.

Quatro anos mais tarde, ele saiu da piscina no Rio visivelmente decepcionado com a sexta posição. O que veio na sequência se revelou pior. Ao dizer ironicamente em entrevista logo após deixar a água que estava "felizão" com o resultado, acabou bombardeado por críticas.

Ele se desculpou na sequência, mas o estrago estava feito e aumentou a frustração.

"Fui deixado de lado por muita gente que eu achava que iria me apoiar numa situação como aquela. Eu me senti muito sozinho por um momento. É fácil apoiar alguém que está indo bem, mas quando a pessoa cai é aí que você vê quem são seus verdadeiros fãs e amigos", disse o brasileiro ao Olympics.com em 2020.

Neste sábado, ao sair da piscina, Fratus agradeceu à mãe "eu te amo, ao pai, "por ter comprado uma passagem só de ida quando eu tinha que sair de casa", ao COB (Comitê Olímpico do Brasil) e à esposa e treinadora, a nadadora olímpica Michelle Lenhard. "Eu fui só o cara que subiu no bloco e nadou, mas tem umas cem pessoas que me ajudaram."

Até o fim de 2016, o nadador viveu momentos difíceis. Engordou 12 quilos e nadou competições apenas por razões contratuais, nas quais não gostaria de estar. Em 2017, quando começou a ser treinado por Lenhardt, as coisas voltaram a engrenar.

O brasileiro foi medalhista de prata na prova dos 50 m do Mundial de Budapeste, com o melhor tempo da carreira (21s27) e repetiu o vice na edição seguinte, em 2019, em Gwangju, na Coreia do Sul.

Durante este ciclo olímpico, Fratus sempre esteve entre os nomes mais cotados do Brasil para conquistar uma medalha no Japão. Também consolidou seu papel de liderança em meio a um processo de renovação da natação brasileira. "Não gosto muito de me intitular líder, chamar a coisa para mim. Eu sou fã de liderar pelo exemplo. É muito raro eu chegar e puxar alguém para conversar, mas quem quiser seguir o exemplo e aprender, porque eu estou fazendo isso já faz um tempo, que venha junto que eu ensino com o maior prazer", disse durante a disputa dos Jogos Pan-Americanos de Lima-2019.

Ele acaba de ampliar esse repertório. Fratus conquistou a segunda medalha da natação brasileira em Tóquio, após o bronze de Fernando Scheffer nos 200 m livre. É a 15ª do país nas piscinas em Jogos (além de uma na maratona aquática, com Poliana Okimoto), após sair zerada da Rio-2016. Ele também repetiu Cielo e Fernando Scherer como medalhistas na prova mais veloz do programa olímpico.

"Os caras são grandes, mas 'nois' é ruim. Aqui é Brasil. A gente vai e faz", disse o atleta após o bronze. "Se é para deixar uma mensagem é: cara, nós somos o melhor povo, nós temos o melhor país do mundo. Eu moro nos EUA e todo mundo admira o Brasil, o povo brasileiro. A gente é muito capaz. Como eu fiz hoje, permitam-se ser o povo que podemos ser, o país que podemos construir. Somos os melhores do mundo."

* Com informações da Folhapress

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos