Brogdon, do Indiana Pacers, é novo caso positivo de COVID-19 na NBA

AFP
O jogador do Indiana Pacers Malcolm Brogdon numa partida contra o Brooklyn Nets, em 10 de fevereiro de 2020.
O jogador do Indiana Pacers Malcolm Brogdon numa partida contra o Brooklyn Nets, em 10 de fevereiro de 2020.

O armador do Indiana Pacers, Malcolm Brogdon, anunciou nesta quarta-feira que testou positivo para o coronavírus, mas planeja estar pronto para jogar no final da temporada da NBA no fim de julho.

"Recentemente, testei positivo para COVID-19 e estou atualmente em quarentena. Estou bem, me sinto bem e estou progredindo bem", disse o jogador em um comunicado.

"Planejo me juntar aos meus companheiros de equipe em Orlando para a retomada da temporada da NBA e dos playoffs", acrescentou.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Em sua quarta temporada na liga, Brogdon obteve uma média de 16,3 pontos, 4,7 rebotes e 7,1 assistências por jogo nesta temporada com o Pacers, time ao qual chegou vindo do Milwaukee Bucks nesta temporada.

Brogdon, de 27 anos, também é um dos sete vice-presidentes da NBA Players Association. Os Pacers estão classificados para os playoffs, ocupando o quinto lugar na Conferência Leste, com 39 vitórias e 26 derrotas.

Na terça-feira, as 22 equipes da NBA que competirão no final da temporada, programadas para começar em 30 de julho no complexo esportivo da Disney World (Orlando), começaram a testar seus jogadores para coronavírus e esperavam que encontrassem casos positivos.

Na mesma terça-feira, a ESPN informou que o pivô sérvio Nikola Jokic, astro do Denver Nuggets, testou positivo para COVID-19 na semana passada na Sérvia, causando um atraso no seu retorno aos Estados Unidos.

Enquanto isso, o jornal The Arizona Republic informou na terça que dois jogadores do Phoenix Suns, que não identificou, também tiveram resultados positivos, o que levou a equipe a fechar temporariamente as instalações onde seus funcionários poderiam treinar voluntariamente.

Nas semanas seguintes à suspensão da temporada da NBA, decretada em 12 de março após o contágio do francês Rudy Gobert, as equipes relataram dez casos entre seus jogadores, incluindo estrelas como Kevin Durant e Donovan Mitchell.

Leia também