Brittney Griner transferida para colônia penal russa

A jogadora americana de basquete Brittney Griner foi retirada em 4 de novembro da penitenciária em que estava na Rússia e está "a caminho de uma colônia penal", informaram nesta quarta-feira os advogados, que não sabem a localização atual da atleta e seu "destino final".

Condenada por posse de uma pequena quantidade de óleo de haxixe, Grinner foi retirada do centro de detenção em 4 de novembro, informou a equipe de advogados.

"Agora está a caminho de uma colônia penal", afirmaram os advogados Maria Blagovolina e Alexander Boykov em um comunicado.

A nota dos advogados explica que a Rússia envia as notificações de transferência de detentos por correio, o que pode demorar até duas semanas.

"Não temos nenhuma informação sobre sua localização atual nem seu destino final", acrescentam os advogados.

O caso de Griner provocou indignação nos Estados Unidos. O secretário de Estado, Antony Blinken, propôs à Rússia um acordo para a libertação da atleta, apesar das crescentes tensões com Moscou devido à invasão da Ucrânia.

A secretária de imprensa da Casa Branca, Karine Jean-Pierre, reiterou que o governo apresentou "uma oferta substancial" para resolver o caso.

"Cada minuto que Brittney Griner deve suportar uma detenção injusta na Rússia é um minuto demais", afirmou em um comunicado.

"Como o governo continua trabalhando incansavelmente para garantir sua libertação, o presidente orientou a administração a pressionar seus captores russos para que melhorem seu tratamento e as condições que ela pode ser forçada a suportar em uma colônia penal".

Griner, duas vezes medalhista de ouro olímpica e campeã da WNBA, estava na Rússia para jogar pelo clube de Yekaterinburgo, antes de retornar para a temporada da WNBA, onde defende o Phoenix Mercury.

Algumas informações indicavam que Griner e outro americano detido na Rússia, Paul Whelan, poderiam ser trocados por Viktor Bout, um famoso traficante de armas russo condenado a 25 anos de prisão nos Estados Unidos.

aue/ube/dbh/fp