Em briga com Atlético-MG, Cruzeiro chama Federação Mineira de “parcial”

O clássico entre Cruzeiro e Atlético já pega fogo nos bastidores. A Raposa acusa a Federação Mineira de Futebol de ter sido parcial em decisões tomadas para o jogo deste sábado, no Mineirão, às 16h (de Brasília).

A diretoria celeste vetou a torcida atleticana de levar bandeiras e instrumentos para as arquibancadas. A decisão foi pedida em reunião na última terça-feira. A Raposa ainda proibiu a entrada de crianças com os jogadores.

O Atlético, porém, entendeu que os pedidos não estão no regulamento. “O Atlético acionou, na manhã desta quinta-feira, a FMF, para que a mesma faça cumprir o regulamento e comunique a PM, sobre a entrada de bandeiras e instrumentos no Mineirão, na partida diante do Cruzeiro. Vale lembrar que, na reunião, a polícia não se opôs à questão”, destacou em nota a assessoria de imprensa.

Leia também: Cruzeiro fecha treino, tem desfalques e reforços importantes para o clássico 

Na tarde desta sexta-feira, a polêmica ganhou dois novos capítulos. A Federação Mineira de Futebol (FMF) liberou bandeiras e instrumentos para a torcida atleticana. Segundo a entidade, até a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) foi consultada para tal decisão ser tomada.

“Acesso de bandeiras e/ou instrumentos musicais, portados pelas torcidas dos times mandante e visitante, em todos os estádios do Estado de Minas Gerais, salvo se comprovada falta de segurança ou salvo decisão contrária do Poder Judiciário, do Ministério Público, dos órgãos de segurança pública ou das administradoras dos estádios, não sendo conferida à agremiação mandante a prerrogativa de veto”, destacou em ofício.

Indignados com a resposta da Federação, o Cruzeiro soltou uma nota de repúdio lamentando a decisão “arbitrária” que foi tomada. Segundo o clube azul, a Federação Mineira de Futebol “se comporta de forma tão parcial, já que a mesma nunca defendeu igualmente os interesses do Cruzeiro Esporte Clube e da nossa torcida quando os clássicos são disputados no Estádio Independência”.

Confira mais: Focado no clássico, Danilo desliga até o celular 

Na nota, o Cruzeiro ainda chama a Federação Mineira de Futebol de dependente e parcial. “Lamentamos profundamente, ainda, a postura do presidente da Federação Mineira de Futebol, Castellar Neto, que nos últimos dias não atendeu a nenhuma das ligações feitas pelos gestores da área do futebol cruzeirense. Esperamos que um dia a Federação Mineira de Futebol volte a ser independente e imparcial, sem que seus dirigentes vistam a camisa de seu clube de coração, e que todos os seus filiados recebam o mesmo tratamento.”, finalizou.

Confira a nota formulada pelo Cruzeiro na íntegra:

Nota de repúdio – Cruzeiro x Atlético-MG

O Cruzeiro Esporte Clube recebeu nesta sexta-feira, com indignação, a decisão da Federação Mineira de Futebol de liberar a entrada de instrumentos musicais, bandeiras e faixas na torcida adversária no clássico deste sábado. Tal decisão é arbitrária e contraria as medidas tomadas durante a reunião realizada na sede da FMF, na última terça-feira, e que consta em ata.

A arbitrariedade é ainda mais grave por ver a entidade máxima do futebol mineiro, mais uma vez, se comportar de forma tão parcial, já que a mesma nunca defendeu igualmente os interesses do Cruzeiro Esporte Clube e da nossa torcida quando os clássicos são disputados no Estádio Independência.

Lamentamos profundamente, ainda, a postura do presidente da Federação Mineira de Futebol, Castellar Neto, que nos últimos dias não atendeu a nenhuma das ligações feitas pelos gestores da área do futebol cruzeirense.

Esperamos que um dia a Federação Mineira de Futebol volte a ser independente e imparcial, sem que seus dirigentes vistam a camisa de seu clube de coração, e que todos os seus filiados recebam o mesmo tratamento.

Qualquer incidente que ocorra no estádio, em função dos desmandos da Federação Mineira de Futebol, será atribuído exclusivamente ao Senhor Castellar Neto e à FMF.