Brasília não deve ser sede de Fla-Flu por veto ao público

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
BRASILIA, BRAZIL - AUGUST 18: General view of the stadium prior to a quarter final second leg match between Flamengo and Olimpia as part of Copa CONMEBOL Libertadores 2021 at Mane Garrincha Stadium on August 18, 2021 in Brasilia, Brazil. The stadium allows 30% of its capacity for fans. (Photo by Evaristo Sa-Pool/Getty Images)
Por definição do Governo do Distrito Federal, que não permite público, clássico deve ser realizado em Volta Redonda. Foto: (Evaristo Sa-Pool/Getty Images)

A reforma do gramado do Maracanã, que impossibilitará a realização de partidas no templo do futebol brasileiro até as semifinais do Campeonato Carioca poderia fazer com que o clássico Fla-Flu, válido pela quarta rodada do campeonato estadual, fosse disputado no Estádio Mané Garrincha, em Brasília, mas um veto decretado pelo Governo do Distrito Federal, que proíbe a presença de público nos estádios, deve mudar os planos dos investidores que compraram o mando de campo.

Chegou a ser cogitado que o Estádio Kléber Andrade, localizado em Cariacica, no Espírito Santo, fosse o palco do clássico, mas a pequena capacidade de público o impossibilita. A ideia mais provável é que o Estádio Raulino de Oliveira, do Volta Redonda, seja o definido.

Leia também:

O decreto 42.950 mudou a determinação que havia sido feita no fim de novembro do último ano, que garantia a presença de público caso houvesse controle de entrada e saída sem aglomerações.

A alta de casos, internações e mortes por conta da Covid-19, porém, ocorrida por causa da variante Ômicron do Coronavírus, fez com que o Governo mudasse o regime de controle a partir do dia 12 de janeiro.

Na próxima temporada, será utilizada uma combinação de grama natural com fibras sintéticas, tornando o gramado do Maraca híbrido.

O gramado híbrido, utilizado em diversos estádios da Europa e outros continentes, é uma combinação de grama natural com fibras de polietileno, que faz uma espécie de 'costura' entre os dois materiais, para que a grama não 'solte' com tamanha facilidade, como ocorre quando não há a fixação ideal.

A obra, que se iniciou em dezembro, terá custo total de R$4 milhões, sem que os clubes de futebol que fazem uso do estádio tenham que desembolsar algo. A empresa que faz gestão do Maracanã é a responsável pelo projeto.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos