Três brasucas em Portugal; relembre os brasileiros que disputaram Copas do Mundo por outros países

Matheus Nunes rejeitou convocação de Tite para defender Portugal (Foto: PATRICIA DE MELO MOREIRA / AFP)


Não é só pelo Brasil que os brasileiros costumam disputar a Copa do Mundo. O país do futebol já teve seus representantes mesmo sem estar defendendo a Amarelinha. E, neste ano , três brasileiros estarão no Qatar para defender Portugal: o zagueiro Pepe, que vai para o seu quarto mundial pela seleção europeia e os estreantes Matheus Nunes e Otávio. Matheus inclusive rejeitou uma convocação de Tite para defender o Brasil e optou por Portugal

+ Abertura da Copa do Mundo 2022: veja data, horário e atrações da cerimônia

Mas antes deles, Portugal já contou com um de seus maiores craques nascidos no Brasil. Mais precisamente em Indaiatuba, interior de São Paulo. Deco defendeu os portugueses nos Mundiais de 2006 e 2010. O luso-brasileiro fez cinco jogos e marcou um gol com a camisa portuguesa na Copa do Mundo. Pepe, por sua vez, tem oito jogos entre 2010 e 2018 e quer aumentar essa marca em 2022.

Os brasileiros também já defenderam outros países na Copa do Mundo. É o caso do volante Thiago Motta, que defendeu a Itália em três jogos na Copa disputada no próprio Brasil, em 2014. Na Polônia, o zagueiro Thiago Cionek defendeu a seleção nacional na Rússia. No mesmo ano, a anfitriã teve o lateral Mário Fernandes como titular em cinco partidas, com um gol marcado.

+ Seleção Brasileira: por onde andam os campeões da Copa do Mundo de 2002?

Na Espanha, o atacante Diego Costa jogou pela seleção as Copas do Brasil e da Rússia, atuando em sete partidas. Na última, inclusive, foram três gols marcados. Marcos Senna foi outro a defender a Espanha no Mundial de 2006. Atual atacante do Leeds, da Inglaterra, Rodrigo Moreno também esteve com a Espanha em 2018 e jogou três partidas.

Eduardo da Silva foi outro a vir ao Brasil por outra seleção. O atacante, que passou pelo Flamengo, fez uma partida pela Croácia, assim como o pouco conhecido Sammir.

Após ser o grande destaque do Stuttgart, em 2010, Cacau foi lembrado para defender a seleção alemã naquele mesmo ano, na África do Sul. Pelo México, Sinha jogou em 2006, e na Bélgica, Luis Oliveira jogou em 1998.

Outros nomes menos badalados também representaram o Brasil com outras camisas. Na Tunísia, Clayton e Francileudo foram convocados em 2002 e 2006. Pelo Japão, Wagner Lopes e Alex dos Santos.

NATURALIZADOS EM TEMPOS ANTIGOS

Vale lembrar que a Itália levou a Copa do Mundo de 1934 com ajuda de um brasileiro. Filó foi o ponta direita da seleção e o primeiro brasileiro a conquistar o Mundial. Em 1962, Angelo Sormani também defendeu a seleção italiana, assim como Mazzola, que havia sido campeão com o Brasil em 1958. Naquela época, a regra para jogar naturalizado atuar era diferente.

+ Fora do Brasil desde 2010, Neneca confia em Neymar e garante: ‘Qatar tem tudo para surpreender’

Técnico da Costa Rica nas Copas de 2002 e 2006, Alexandre Guimarães foi jogador da seleção em 1990 e um dos maiores ídolos da história da equipe, que mais uma vez vai à Copa do Mundo. Inclusive seu filho, Celso Borges, foi convocado para jogar no Qatar, aos 34 anos, e já soma 156 partidas pela Costa Rica.

LEGIÃO BRASILEIRA PODERIA SER MAIOR

Além dos que estarão no Qatar, a legião de brasileiros poderia estar ainda maior se a Itália estivesse classificada para a Copa do Mundo. No plantel campeão da Eurocopa, o técnico Roberto Mancini tinha o zagueiro Rafael Toloi, o lateral Emerson Palmieri e o volante Jorginho.

Eliminada na repescagem, a seleção dos Emirados Árabes é outra que tem brasileiro em seu plantel. Na goleada sofrida para a Argentina, o atacante Caio Canedo, ex-Botafogo e Internacional, foi titular e também esteve na eliminação na repescagem diante da Austrália.