Brasileiro de vela da classe Snipe terá campeões mundiais, pan-americanos e grávida de 31 semanas

·3 min de leitura
Odile no leme. Velejadora grávida é uma das atrações do Brasileiro de Snipe (Foto: Camilla Baptistin)


A 72ª edição do Campeonato Brasileiro de Snipe começou na terça-feira, no Iate Clube do Espírito Santo, com 35 duplas participantes de nove estados. O evento conta com grandes nomes da modalidade, incluindo campeões mundiais, medalhistas pan-americanos, atletas olímpicos e a nova geração da modalidade. A competição oferece seis vagas para o Mundial da classe, que será em agosto, no Clube Naval Cascais, em Portugal.

A categoria Snipe é uma das mais concorridas do país. Já passaram por ela os maiores nomes da modalidade, como Torben Grael, Lars Grael e Robert Scheidt. O Brasil detém os títulos mundiais no geral e no feminino. No ano de 2019, em Ilhabela (SP), Henrique Haddad e Gustavo Nascimento foram os vencedores. Já em 2021, na versão feminina em São Paulo (SP), Juliana Duque e Mila Beckerath se tornaram campeãs.

A última edição do Brasileiro de Snipe foi em 2020, no Yacht Club da Bahia, em Salvador (BA). Na ocasião, o título ficou com Matheus Tavares e Flávio Castro. O maior vencedor da história da categoria no Brasil é Alexandre Paradeda, com 13 conquistas.

- O Iate Clube do Espírito Santo tem uma estrutura consolidada para abrigar um evento deste porte e estamos muito confiantes de que será um sucesso. Nossa Marina oferece toda a estrutura para barcos, lanchas, jet-skis e outros tipos de embarcações. Para nós, sediar um evento desse porte significa um importante atrativo turístico para nossa região, que vai receber velejadores de diversas partes do Brasil. Também é uma excelente oportunidade para troca de experiências entre os velejadores - disse Victor Santos Neves Filho, diretor de vela do Iate Clube do Espírito Santo.

A primeira edição oficial do Brasileiro de Snipe foi realizada em 1949, onde a conquista ficou com Joseph William Morris Brown e Peter Mac Gregor. Outros dois campeonatos nacionais foram disputados em 1945 e 1947.

- A competição será um sucesso com várias atrações como vagas, disputas tradicionais e muita diversão. A forte presença das flotilhas de nove estados mostram que o Snipe é muito forte e de qualidade - contou Paola Prada, secretária nacional da classe Snipe.

Grávida de 31 semanas em ação

A capixaba Odile Ginaid fez parte da equipe olímpica brasileira por dois ciclos olímpicos e inspirou muitas meninas a disputar regatas de monotipos pelo país. A velejadora segue competindo e nesta temporada vai correr grávida do menino Dante em casa. A atleta está grávida de 31 semanas e a barriguinha já aparece no colete salva-vidas utilizado pelos competidores.

Odile terá como proeiro Bruno Falco no Brasileiro de Snipe, que foi aluno dela na Escolinha de Vela do ICES. Ela conta que a gravidez não a impediu de praticar o esporte que mais ama de forma competitiva.

- Sempre fui ativa e me mantive no esporte, praticando outras modalidades e velejando em toda a gestação. Velejei o Sul-Americano de Laser e o Mundial Feminino de Snipe no ano passado. A diferença agora é que a barriga está maiorzinha, mas só isso! Ainda tenho muito espaço para passar por baixo da retranca - contou Odile Ginaid.

O cuidado, segundo a atleta da classe Snipe, é a diversão.

- Sem pressão de resultado. Mas em uma coisa ele está me ajudando muito: no peso.

Nas águas de Vitória estão confirmados os bicampeões mundiais Bruno Bethlem e Dante Bianchi. Os dois somam juntos oitos títulos nacionais na categoria. Outra dupla de alto nível na disputa será Juliana Duque e Rafael Martins, atuais medalhistas de bronze dos Jogos Pan-Americanos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos