Brasileirão menor custaria caro aos clubes, alerta Mauro: 'Globo teria direito de pagar menos'


Com suspensão do calendário do futebol brasileiro devido à pandemia de coronavírus, o futuro da temporada é uma incógnita. Com isso, tem sido discutida da ideia de o Brasileirão ser enxugado e disputado em sistema de mata-mata, utilizando menos datas. No entanto, de acordo com Mauro Cezar Pereira, da "ESPN", a ideia tende a ser ruim para as finanças dos clubes brasileiros.

- Nos bastidores do futebol há quem se movimente pela troca do sistema de disputa do Campeonato Brasileiro da primeira divisão. A ideia seria encaixar os jogos da Série A no menor número de datas disponíveis após a quarentena imposta à população devido à pandemia de coronavírus. Mas essa possibilidade custaria caro aos clubes, pois a TV Globo teria o direito de pagar menos pelos direitos de transmissão - afirmou Mauro, que prevê impasse relativo à TV por assinatura:

- O formato de pontos corridos, adotado em 2003, foi fundamental para alavancar a venda das partidas pela TV. A redução de pelejas geraria reclamações dos assinantes. Imagine a reação do torcedor que paga para ver 38 jogos de seu time e que, repentinamente, teria assegurados apenas 19, a metade.

Apesar do debate em torno de uma alteração no formato do Brasileirão, na última quinta-feira, Walter Feldman, secretário-geral da Confederação Brasileira de Futebol, descartou qualquer mudança radical no calendário e no sistema de disputa das competições.






Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Leia também