Olimpíada de Tóquio: Brasil pode garantir até 10 medalhas entre esta madrugada e a manhã

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·5 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Brasil pode garantir outras 10 medalhas nesta madrugada, na Olimpíada de Tóquio. (Foto: Divulgação/COI)
Brasil pode garantir outras 10 medalhas nesta madrugada, na Olimpíada de Tóquio. (Foto: Divulgação/COI)

A madrugada desta terça-feira tem tudo para ser a mais vencedora do Brasil nos Jogos Olímpicos de Tóquio. Entre as 23h50 desta segunda, até 7h20 de terça-feira, atletas brasileiros irão disputar medalhas em 10 provas, com chances razoáveis de sucesso em pelo menos seis delas.

Pelos horários, será possível não perder nenhuma delas para quem arriscar virar à noite. Confira aqui a agenda completa das atrações em Tóquio.

AS CHANCES DE MEDALHAS DO BRASIL:

21h: 

  • A noite dos atletas brasileiros começa no atletismo, com classificatórias no salto triplo, nos 1500m rasos e no lançamento de dardo.

21h45: 

  • É a partir desse horário que começa a série de decisões brasileiras, com Isaquias Queiroz e Jacky Godmann disputando a semifinal na canoagem, na categoria C2 1000m. A disputa é importante porque irá definir os finalistas da prova. A final acontece horas depois. Isaquias foi medalha de bronze em 2016 nessa prova, mas com outro companheiro, Erlon de Souza. Para chegar à semifinal, ele e Godmann precisaram passar por uma repescagem. Apesar da dificuldade, Isaquias continua sendo um dos melhores do mundo na canoagem.

Jacky Godmann do Brasil e Isaquias Queiroz Dos Santos do Brasil em ação na Canoagem
Jacky Godmann do Brasil e Isaquias Queiroz Dos Santos do Brasil em ação na Canoagem. (Foto: REUTERS / Maxim Shemetov)

22h: 

  • Entre a semifinal e a final na canoagem, será possível acompanhar uma partida decisiva no vôlei de praia. Ana Patrícia e Rebecca disputam as quartas de final contra a dupla suíça Vergé-Dépré e Heidrich. Com a eliminação de Ágatha e Duda, a dupla passou a ser a esperança de medalha do Brasil no vôlei de praia feminino.

23h54: 

  • Se Isaquias e Jacky avançarem à final, o horário previsto para a decisão é este. É bom colocar um alerta porque, a partir desta final, serão três possibilidades de medalha em menos de uma hora.

0h20: 

  • Logo depois da possível final na canoagem, o Brasil terá nova chance de medalha, agora no atletismo. Alison dos Santos disputa a final dos 400 metros com barreira. Ele fez o segundo melhor tempo da prova na semifinal e é um dos favoritos a conseguir um lugar no pódio.

Alison dos Santos da Equipe Brasil lidera o campo Semifinal de 400 m com barreiras dos homens no dia nove dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 no Estádio Olímpico em 01 de agosto de 2021 em Tóquio, Japão. (Foto de Amin Mohammad Jamali / Getty Images)
Alison dos Santos da Equipe Brasil lidera o campo Semifinal de 400 m com barreiras dos homens no dia nove dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 no Estádio Olímpico em 01 de agosto de 2021 em Tóquio, Japão. (Foto de Amin Mohammad Jamali / Getty Images)

0h33: 

  • Na sequência, começa a regata da classe 49er FX. A dupla Kahena Kunze e Martine Grael está na briga pelo ouro. Elas já eram favoritas na prova antes de chegar a Tóquio e entram na regata final, que vale o dobro de pontos, na liderança geral.

1h: 

  • Enquanto ocorre a regata, a seleção masculina de vôlei faz sua primeira partida eliminatória na Olimpíada, e exatamente contra o dono da casa, o Japão. Favoritos ao pódio, o time comandado por Renan pode chegar à quinta semifinal olímpica consecutiva.

3h33: 

  • Após a regata e o vôlei, terá mais brasileiro na vela. Na Classe Nacra 17, a dupla Gabriela Nicolino e Samuel Albrecht participa da regata final. Os dois precisariam de uma combinação de resultados para conseguir uma medalha, pois estão na 9ª colocação.

5h: 

  • Nesse horário, o foco inicial deve ser no boxe, mas também começa o jogo entre Brasil e México. Os dois podem garantir medalhas ao Brasil. No boxe, Beatriz Ferreira, que é favorita ao pódio, disputa as quartas de final contra Raykhona Kodsova, do Uzbequistão. Se ela vencer, já garante uma medalha para o Brasil por avançar para as semifinais (não há disputa pelo bronze no boxe). No futebol, é a mesma coisa: se o Brasil vencer o México, vai para a final e garante pelo menos a prata.

Beatriz Ferreira comemora a vitória contra Shih-Yi Wu de Taipé da China, após a luta de boxe feminino light (57-60kg) das 16ª rodada preliminar durante os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 na Arena Kokugikan em Tóquio em 30 de julho de 2021. (Foto de Luis Luis ROBAYO / AFP) (Foto de LUIS ROBAYO / AFP via Getty Images)
Beatriz Ferreira comemora a vitória contra Shih-Yi Wu de Taipé da China, após a luta de boxe feminino light (57-60kg) das 16ª rodada preliminar durante os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 na Arena Kokugikan em Tóquio em 30 de julho de 2021. (Foto de Luis Luis ROBAYO / AFP) (Foto de LUIS ROBAYO / AFP via Getty Images)

5h48:

  • No intervalo do jogo entre Brasil e México, começa a disputa na trave. A final inclui a brasileira Flávia Saraiva. Ela não está entre as favoritas, mas a prova será a única final disputada pela americana Simone Biles. Tem tudo para ser um dos momentos marcantes da Olimpíada.

6h18: 

  • Mais chance de medalha no boxe. Dessa vez, o lutador brasileiro Wanderson Oliveira tem um confronto duro contra Andy Cruz, de Cuba, país tradicional na modalidade. A situação é a mesma de Beatriz Ferreira: uma vitória do brasileiro garante pelo menos a medalha de bronze.

6h50: 

  • A não ser que o futebol vá para a prorrogação, é provável que mais uma luta decisiva do boxe comece perto do apito final de Brasil e México. Abner Teixeira já tem sua medalha garantida: a disputa agora é pela vaga na final. É mais um duelo entre Brasil e Cuba, representada por Julio La Cruz.

7h20: 

  • Para terminar o dia, o Brasil terá mais uma chance de medalha. Atual campeão olímpico, Thiago Braz está na disputa do salto com vara. O favorito na prova é o fenômeno sueco Armand Duplantis, atual recordista mundial. O francês Renaud Lavillenie também está na disputa (foi ele que protagonizou uma disputa histórica com Thiago em 2016). O brasileiro não teve um grande ciclo olímpico, sofrendo com a irregularidade, mas ainda é um dos melhores no mundo na modalidade.

do Extra

Thiago Braz na qualificatória do salto com vara. (Foto: REUTERS/Kai Pfaffenbach)
Thiago Braz na qualificatória do salto com vara. (Foto: REUTERS/Kai Pfaffenbach)
Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos