Brasil mostrou muita força e competência ao golear o Uruguai

Fernando Graziani
Paulinho comemora seu terceiro gol pela Seleção contra o Uruguai no Centenário. Foto: Pedro Martins/Mowa Press

A sétima vitória seguida da Seleção Brasileira sob o comando de Tite mostrou, sobretudo, um time equilibrado. Tudo funcionou perfeitamente no 4 a 1 sobre o Uruguai, nesta quinta-feira. Aspectos físicos, táticos e técnicos apurados e, especialmente, inteligência emocional para superar a pressão de atuar fora de casa, saindo atrás no marcador, com estádio lotado em Montevidéu, diante de um adversário que tinha 100% de aproveitamento como mandante nas Eliminatórias.

Os três gols de Paulinho (o primeiro, golaço) e o de Neymar (espetacular) retrataram um futebol em franco crescimento após a chegada de Tite. Mesmo com pouco treinamento, o Brasil é outra equipe na comparação com o que foi nos anos recentes, sob diversos comandos. Há movimentação e os setores da equipe jogam aproximados. A postura dos atletas é solidária e as triangulações, características marcantes. Raramente um jogador fica isolado em campo.

Dá gosto de ver. Nestas sete partidas, com sete vitórias, foram 21 gols marcados – média de três por encontro – e apenas dois sofridos. Com Dunga, nos seis primeiros jogos das Eliminatórias, a campanha era de duas vitórias, três empates e uma derrota, além de 11 gols marcados e oito sofridos. Uma diferença abissal.

Com 30 pontos, líder disparado das Eliminatórias, o Brasil já pode se considerar na Copa da Rússia. Se matematicamente ainda não, esportivamente já está. Nesta terça-feira, na Arena Corinthians, a peleja é pela 14a. rodada. O Paraguai voltou a ter chance de classificação, mas certamente jogará recuado em São Paulo. Mais um desafio bom para os comandados de Tite, que terão que ter paciência para furar o bloqueio defensivo formado.