Brasil faz campanha histórica no Pan de Lima e atinge meta de vagas olímpicas

Yahoo Esportes
Foi a melhor campanha do país na história da competição, com número recorde de medalhas de ouro (55) e total de pódios (171), terminando em segundo lugar no quadro final. (LUIS ROBAYO/AFP/Getty Images)
Foi a melhor campanha do país na história da competição, com número recorde de medalhas de ouro (55) e total de pódios (171), terminando em segundo lugar no quadro final. (LUIS ROBAYO/AFP/Getty Images)

Por Marcelo Laguna (@MarceloLaguna)

Lima (PER) - Para o Brasil, os Jogos Pan-Americanos de Lima-2019, encerrados neste domingo (11), foram históricos. Foi a melhor campanha do país na história da competição, com número recorde de medalhas de ouro (55) e total de pódios (171), terminando em segundo lugar no quadro final. Isso só havia ocorrido antes nos Jogos de 1963, realizados em São Paulo.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

A melhor campanha da história em números para o Brasil foi acompanhada também por desempenhos expressivos em diversas modalidades.

Leia também:

Ao todo, 18 modalidades apresentaram em Lima um desempenho superior ao dos Jogos de Toronto-2015: atletismo, badminton, boxe, canoagem slalom, ciclismo BMX, ciclismo estrada, esqui aquático, ginástica artística, hipismo saltos, maratona aquática, natação, remo, taekwondo, tênis, tiro com arco, triatlo e vela.

O Pan de Lima trouxe para o Brasil o maior número de medalhas para mulheres em uma única edição, 67 no total e 20 de ouro. E talvez a marca mais expressiva tenha sido o de vagas olímpicas conquistadas.

Neste Pan-Americano, o Brasil assegurou 29 vagas em nove modalidades: handebol feminino (14), hipismo adestramento (3), hipismo CCE (3), hipismo saltos (3), pentatlo feminino (Maria Iêda Guimarães), tênis masculino (João Menezes), tênis de mesa (Hugo Calderano), vela, na classe 49er masculino (2 vagas) e tiro com arco masculino (1 vaga).

Segundo análise feita pelo COB (Comitê Olímpico do Brasil), um outro ponto importante da campanha em Lima foi o fato de que 97 atletas (38,6%) tem 23 anos ou menos. Além disso, 41 modalidades saíram do Pan de Lima com ao menos uma medalha

“Conquistamos em Lima resultados muito interessantes em vários esportes. Tivemos resultados bem interessantes, por exemplo, na prova da barra fixa da ginástica artística, do Isaquias Queiroz na canoagem velocidade, na prova do C1, do Alisson nos 400 m com barreira, do taekwondo... a natação é mais difícil de avaliar, porque o foco deles aqui era a conquista de medalhas de ouro para nossa campanha, mas eles também atingiram a meta que tínhamos estipulado, que era de dez medalhas”, disse Jorge Bichara, diretor de esportes do COB.

Após a ótima campanha, o foco dentro do comitê olímpico passa a ser a participação na Olimpíada de Tóquio, daqui a menos de um ano. “Em 2016, nós alcançamos o nosso recorde de obter medalhas em 12 modalidades. Queremos manter esse patamar para Tóquio-2020 e se possível aumentar a quantidade de modalidades”, disse Bichara.

A preocupação dentro do comitê é que nenhum dos atletas que já estejam classificados para as Olimpíadas percam o foco. “Não tem sinal verde para ninguém. Tem muito trabalho pela frente ainda, é um período complexo por vários fatores. Às vezes os atletas que se classificam com antecedência dão uma relaxada e não fazem a periodização adequada. Depois reclamam que estavam sem ritmo diante de algum resultado ruim”, disse o dirigente.

Para Marcos La Porta, vice-presidente do COB e chefe de missão do Brasil em Lima, o que ficou claro é que o sarrafo do Brasil subiu para a edição do Pan de 2023, em Santiago. “Ter voltado a ocupar o segundo lugar no quadro de medalhas foi extremamente importante, além de termos aumentado o número de modalidades que contribuíram para o quadro final. Outra coisa importante foi não termos estabelecido uma meta de medalhas. Não houve a cobrança que ocorreu na Rio-2016, aliviando bastante para os atletas, deixando o ambiente mais leve” disse o vice-presidente do COB.

Siga o Yahoo Esportes: Twitter | Instagram | Facebook | Spotify | iTunes | Playerhunter

Leia também