Brasil 2 x 0 Equador - 100%. Mas...

·1 minuto de leitura
Neymar FOTO Buda Mendes/Getty Images

A torcida brasileira esperava mais a entrevista coletiva de Tite do que os 90 minutos de Eliminatórias no Beira-Rio contra o bom time do Equador. Dono do melhor ataque em 4 rodadas. Vencedor das últimas 3 partidas. E que começou melhor do que a Seleção, marcando com os seus 4 mais à frente a saída lenta e sem criatividade do Brasil.

Tite optou por um 4-3-3 mais conservador, semelhante à ótima partida no Uruguai. Não rolava. Segurou então mais Danilo pela direita e espetou Alex Sandro pela esquerda, no usual 3-2-5 para construir. Também não rolou. Só aos 22 a primeira chegada, com Richarlison servindo Gabriel para finalizar nos pés de Domínguez. Depois o Pombo foi aberto pela esquerda, Paquetá foi à direita, e só um tiro de Neymar para a defesa do goleiro, aos 42.

Mais nada. E assim voltou na segunda etapa. Até a boa troca de Fred (de partida discreta como todos, e pedindo para ser expulso) por Gabriel Jesus, aberto pela direita. Paquetá foi recuado como segundo volante na função de Fred. E em menos de 4 minutos ele recuperou uma bola na frente, e rolou para Neymar que achou Richarlison. Desta vez o goleiro aceitou o tiro de canhota, aos 19m43s.

O Brasil acertou o pé, o Equador minguou fisicamente, e a Seleção foi administrando a justa vitória até os 43, quando o VAR achou um pênalti discutível em Gabriel Jesus. Neymar bateu mal e o goleiro pegou. Mas o VAR viu que os pés dele não estavam sobre a linha. Na interpretação draconiana, pênalti repetido. E agora bem batido pelo 10 brasileiro.

Sete chances verde-amarelas, dois gols. Nenhum lance do Equador.

Vitória justa. Melhor do que a atuação brasileira.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos