Brasil define revezamento e assegura mais seis vagas olímpicas na natação

LANCE!
·2 minuto de leitura


O revezamento 4x200m livre do Brasil para os Jogos Olímpicos de Tóquio foi definido. Nesta terça-feira, Fernando Scheffer, Breno Correia, Murilo Sartori e Luiz Altamir garantiram seus lugares, no segundo dia de Seletiva Olímpica de Natação, realizada no Parque Aquático Maria Lenk, no Rio de Janeiro. A delegação brasileira também contará com a dupla Guilherme Basseto e Guilherme Guido nos 100m costas.

Uma das provas mais fortes e mais aguardadas da Seletiva era os 200m livre, que não só selecionaria os nadadores para a disputa individual no Japão, como os representantes do revezamento 4x200m, recordista mundial de piscina curta, que já está classificado para os Jogos Olímpicos.

O índice foi batido pelos atletas Fernando Scheffer (1m46s28) e Breno Correia (1m46s72). Com isso, o revezamento brasileiro será formado também por Murilo Satori e Luiz Altamir, terceiro e quarto lugares, respectivamente. Murilo, Breno e Scheffer estrearão em Jogos Olímpicos.

- A prova era muito forte e essa concorrência só nos fortalece ainda mais. Cada um tem uma característica individual e acho que a gente se completa. Vamos trabalhar bastante nos próximos meses para conseguir representar bem o Brasil nos Jogos Olímpicos de Tóquio - disse Fernando Scheffer.

As vagas dos 100m costas tiveram muita emoção. O índice olímpico de 53s85 foi atingido por dois atletas. Guilherme Basseto venceu os 100m costas com 53s84 e também estreará em Jogos Olímpicos. Na mesma prova, o veterano Guilherme Guido, de 34 anos, irá para sua terceira edição de Olimpíadas. A marca atingida foi justamente de 53s85.

- É um sonho de criança. Treino todos os dias, nos últimos cinco anos, pensando nisso, nesse resultado que obtive hoje. Treinar com o Guido, com supervisão do André Ferreira, foi importantíssimo para que eu me tornasse um atleta olímpico - disse Guilherme Basseto.

Nos 100m costas feminino, Etiene Medeiros, campeã mundial dos 50m costas, foi a mais rápida pela manhã nos 100m costas com 1m02s45. Na final, ela baixou seu tempo para 1m01s37 e venceu a prova, mas não foi o suficiente para garantir a vaga em Tóquio.

Nos 100m peito feminino. Jhennifer Conceição, que pela manhã ficou bem próxima do índice olímpico e quebrou o recorde brasileiro da prova com 1m07s35, não conseguiu melhorar sua marca na final 1m08s08 para vencer a prova.

Nos 400m livre feminino, prova que encerrou o programa desta terça-feira, nenhuma atleta obteve o índice. Após a disputa, porém, Ana Marcela Cunha, que já está classificada para os Jogos Olímpicos desde 2019 pela Maratona Aquática, recebeu o seu passaporte olímpico das mãos do vice-presidente da CBDA, Renato Cordani.

Até este momento, o Brasil tem nove vagas olímpicas garantidas em provas individuais.