Brasil cria, mas fecha a fase de grupos com um dos piores ataques da Copa

Rodrygo é o jogador com mais finalizações no Brasil (Anne-Christine POUJOULAT / AFP)


O Brasil fez o seu dever de casa ao se classificar em primeiro na fase de grupos da Copa do Mundo. Apesar disso, a derrota para Camarões por 1 a 0, nesta sexta-feira, ligou o alerta na Seleção. O time do técnico Tite construiu, finalizou, mas parou nas boas defesas do goleiro Devis Epassy e também na falta de pontaria do seu ataque.

Foram 19 tentativas brasileiras, mas apenas oito na direção do gol e nenhuma na rede. Gabriel Martinelli, com quatro finalizações, sendo três no alvo, foi quem mais chegou perto de marcar. Bruno Guimarães também arriscou quatro vezes, mas somente uma na direção correta. Já os camaroneses precisaram de apenas seis arremates, sendo três certos, para saírem com a vitória. O experiente Aboubakar, ex-Porto, fez o gol.

Mesmo nas partidas em que venceu Suíça e Sérvia, o Brasil teve dificuldades para marcar. Em ambos os jogos a Seleção só conseguiu abriu o placar no 2º tempo, já depois dos 15 minutos de bola rolando na etapa final. E, assim como contra Camarões, não foi por falta de tentativas. Foram 22 finalizações contra os sérvios e dez no duelo com os suíços.

O Brasil termina a fase de grupo como a segunda equipe que mais finalizou, 51 vezes, ficando atrás apenas da Alemanha, que acabou eliminada, com 65. Apesar do alto volume ofensivo, a equipe termina com um dos piores ataques, tendo marcado apenas três gols. Das 16 seleções que avançaram para as oitavas de final da Copa do Mundo, somente duas balançaram as redes menos vezes: Polônia e Estados Unidos, com dois tentos cada.