Brasil aceita Copa América sem controle da pandemia; compare com outros eventos esportivos

·4 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O anúncio feito pela Conmebol de que a Copa América foi transferida da Argentina para o Brasil despertou debates sobre a capacidade de diferentes países realizarem grandes eventos esportivos internacionais em meio à pandemia de Covid-19.

Cada evento tem suas particularidades a depender do contexto esportivo, da situação sanitária das sedes e se há ou não presença liberada de público. Veja a situação de algumas competições esportivas em andamento, que aconteceram nos últimos dias ou acontecerão nas próximas semanas:

500 milhas de Indianápolis - Estados Unidos

Neste domingo (30), Hélio Castroneves venceu as 500 Milhas de Indianápolis pela quarta vez, diante de 135 mil pessoas no autódromo de Speedway, em Indiana (EUA). O local teve liberada 40% de sua ocupação. O uso de máscara foi obrigatório, mas estar vacinado ou apresentar um teste negativo de Covid-19 não eram exigências. Ao longo do mês, o próprio autódromo esteve aberto a interessados em receber a imunização gratuitamente.

No mesmo dia, foram registrados 501 casos de Covid-19 em Indiana e 10 mortes, segundo dados publicados no The New York Times. O estado tem 35% de sua população totalmente vacinada.

Nos Estados Unidos como um todo, na última semana foram contabilizados 140.927 casos e 4.537 mortes, de acordo com a universidade Johns Hopkins. A população que recebeu as duas doses da vacina representa 41,16% do total.

Roland Garros - França

O segundo Grand Slam da temporada começou no domingo (30), após ter sido adiado em uma semana para que pudesse abrigar mais público.

A previsão é receber até 118 mil pessoas durante o torneio (geralmente esse número chega a 500 mil), com limite de 35% da capacidade das quadras até 8 de junho e 65% nas rodadas decisivas.

Todos os espectadores terão que apresentar teste negativo de Covid-19 ou certificado de vacinação. Por causa do toque de recolher, porém, eles não serão admitidos nas sessões noturnas --novidade deste ano-- até 8 de junho.

A França registrou 63.317 casos de Covid-19 na última semana e 805 mortes, segundo dados da universidade Johns Hopkins. O país tem 16,42% de sua população totalmente vacinada.

Olimpíada de Tóquio - Japão

O maior evento esportivo do mundo, com cerca de 11 mil atletas esperados, foi adiado de 2020 para 2021 e tem sua cerimônia de abertura marcada para 23 de julho.

Constantemente questionados sobre a possibilidade de realizar os Jogos em meio à pandemia, os organizadores do COI (Comitê Olímpico Internacional) e do comitê local bancam que eles acontecerão na data marcada. A presença de espectadores estrangeiros não será permitida, e uma definição sobre os residentes no Japão ocorrerá em junho.

Os dois playbooks (manual de regras sanitárias) lançados até agora preveem testes diários para os atletas. A frequência dos exames dos demais participantes dependerá de suas funções. As medidas, porém, têm sido vistas como insuficientes por especialistas, que pedem mais atenção a temas como ventilação dos ambientes.

O Japão registrou 25.467 casos de Covid-19 e 661 mortes na última semana, de acordo com a universidade Johns Hopkins. Várias cidades, incluindo Tóquio, entraram em estado de emergência, e a transmissão está em queda desde o meio do mês. A taxa de vacinação do país é a menor entre as principais economias do mundo: 2,56%.

Eurocopa - vários países

O evento com 24 seleções de futebol da Europa, também adiado de 2020 para 2021, será realizado a partir de 11 de junho em 11 sedes: Londres, Roma, Munique, Baku, São Petersburgo, Budapeste, Sevilla, Bucareste, Amsterdam, Glasgow e Copenhague. Dublin foi removida da lista por não garantir a presença de público parcial, assim como Bilbao (substituída por Sevilla). As capacidades permitidas variam de pelo menos 20% do estádio a casa cheia (a princípio apenas em Budapeste).

Copa América - Brasil

O torneio que deixou de ser realizado na Argentina por conta da escalada da pandemia de Covid-19 no país foi abrigado pelo Brasil, outro exemplo negativo na condução do combate à doença. A Conmebol (confederação sul-americana) pretende organizar a competição com suas dez seleções a partir de 13 de junho, em locais ainda não confirmados.

A Argentina, com aproximadamente 45 milhões de habitantes, registrou 214.125 casos de coronavírus na última semana, segundo a universidade Johns Hopkins, e 3.393 mortes. A população totalmente vacinada representa 6,14% do total.

O Brasil, com cerca de 211 milhões de habitantes, teve 431.682 casos na última semana e 12.863 mortes. A segunda dose da vacina chegou a 13,71% da população.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos