Bragantino vence na Arena e freia Corinthians em luta por vaga na Libertadores

·2 minuto de leitura
SÃO PAULO, SP, 25.01.2021- CORINTHIANS-RB BRAGANTINO: Partida entre Corinthians e RB Bragantino, válida pela 32ª rodada do Campeonato Brasileiro Série A 2020/2021, realizada na Neo Química Arena, em Itaquera, na zona leste de São Paulo, na noite desta segunda-feira (25). (Foto: Mauro Horita/Folhapress)
SÃO PAULO, SP, 25.01.2021- CORINTHIANS-RB BRAGANTINO: Partida entre Corinthians e RB Bragantino, válida pela 32ª rodada do Campeonato Brasileiro Série A 2020/2021, realizada na Neo Química Arena, em Itaquera, na zona leste de São Paulo, na noite desta segunda-feira (25). (Foto: Mauro Horita/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Corinthians teve uma jornada ruim em sua luta para conquistar vaga na próxima Copa Libertadores. O RB Bragantino entrou de vez nessa briga ao vencer o time alvinegro na Neo Química Arena, na noite de segunda-feira (25), por 2 a 0.

Helinho e Claudinho marcaram os gols que definiram um triunfo relativamente tranquilo da equipe de Maurício Barbieri, superior na maior parte do confronto. Ela chegou aos 44 pontos, na 11ª colocação do Campeonato Brasileiro. O clube do Parque São Jorge, com 45, está em décimo.

São os seis primeiros do Nacional que obtêm vaga na principal disputa sul-americana. Há, porém, uma possibilidade real de o G-6 virar G-7 ou G-8, a depender dos resultados das finais da Copa do Brasil e da própria Libertadores, que também valem classificação.

Para obter um bom resultado em Itaquera, o Bragantino soube frear muito bem o sistema de construção do Corinthians, impulsionado pelo trabalho de seus laterais. Fagner e Fábio Santos eram fortemente marcados, e a pressão alta rendeu frutos quase imediatos aos visitantes.

Logo aos dois minutos do primeiro tempo, um toque de Fábio Santos foi interceptado. A equipe que jogava de vermelho trocou passes rápidos até que a bola chegasse a Helinho, que bateu com precisão, da meia-lua, para abrir o placar.

Como que esmurrando pontas de faca, os donos da casa insistiam em uma saída que não funcionava e eram encaixotados. Só tinham algum sucesso nas raras bolas longas para Jô disputar no alto, e assim apareceram lances de perigo, mas o rival parecia mais concentrado.

No final da etapa inicial, aos 42, o Bragantino ampliou a vantagem em jogada bem construída. Ytalo recebeu entre os zagueiros e deixou Claudinho na cara do gol para marcar, o que levou Vagner Mancini a acionar Otero e Léo Natel no intervalo, sacando Mateus Vital e Gustavo Silva.

Ao longo do segundo tempo, o treinador também botou para jogar Luan, Everaldo e Gabriel Pereira. Luan entrou bem, mas a reação necessária não ocorreu. Os visitantes controlaram bem as ações e tiveram até oportunidades de obter um placar maior.

CORINTHIANS

Cássio; Fagner, Bruno Méndez, Gil, Fábio Santos; Gabriel, Ramiro (Gabriel Pereira), Gustavo Mosquito (Léo Natel), Cazares (Luan), Mateus Vital (Otero); Jô (Everaldo). T.: Vagner Mancini

RB BRAGANTINO

Cleiton; Aderlan, Léo Ortiz, Ligger, Edimar; Ryller (Eric Ramires), Raul, Claudinho (Bruno Tubarão); Helinho (Cuello), Ytalo (Hurtado), Artur (Leandrinho). T.: Maurício Barbieri

Estádio: Neo Química Arena, em São Paulo (SP)

Juiz: Bruno Arleu de Araújo (RJ)

Cartões amarelos: Léo Natel, Everaldo e Ramiro (Corinthians); Helinho e Aderlan (RB Bragantino)

Gols: Helinho, a 1min, e Claudinho, aos 42min do primeiro tempo