Bragantino afastou jogadores por causa de testes errados do Einstein

Redação Esportes
·2 minuto de leitura
Jogadores do Red Bull Bragantino chegando ao Morumbi (Foto: Divulgação)
Jogadores do Red Bull Bragantino chegando ao Morumbi (Foto: Divulgação)

Sete titulares do Red Bull Bragantino foram autorizados a jogar contra o Corinthians, em partida válida pelas quartas-de-final do Paulistão nesta quinta-feira (30), apenas poucas horas antes do duelo. Isso porque eles foram afastados de treinos por causa de testes errados de Covid-19 e tiveram resultados corrigidos após novos testes na quinta.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Esportes no Google News

A informação foi revelada pelo jornal O Globo e pelo site UOL.

De acordo com o Bragantino, o Hospital Albert Einstein, parceiro da Federação Paulista de Futebol (FPF) e da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), errou resultados de 26 testes de coronavírus feitos em jogadores e membros da comissão técnica do clube.

Leia também:

Antes da semifinal contra o Corinthians, o clube fez uma nova rodada de testes no Einstein e teve 26 resultados positivos, entre jogadores, membros da comissão e funcionários do centro de treinamento e do estádio. Nove deles eram jogadores e sete titulares.

O Bragantino estranhou os resultados, já que vinha fazendo testes, mas afastou todos os profissionais. O clube resolveu levar as pessoas que testaram positivo para fazer exames em dois laboratórios diferentes. Todos os testes tiveram resultados negativos.

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Após os resultados negativos em outros exames, o Bragantino levou as pessoas novamente ao Eistein no dia do jogo e eles receberam resultados negativos no laboratório do hospital às 17h de quinta, duas horas antes da partida no Morumbi.

Em nota ao UOL, o Einstein afirmou que identificou um lote de reagentes com “instabilidade de funcionamento”, o que deve ter causado os resultados positivos.

Siga o Yahoo Esportes no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube