Cachorros abandonados viram gandulas do Brasil Open

Alba Santandreu.

São Paulo, 4 mar (EFE).- Dexter, Ovelha e Pretinha foram abandonados, mas neste sábado se tornaram os novos gandulas do Brasil Open, em São Paulo, onde exibiram todo um charme para conquistar um novo dono.

Ao todo, seis cães trocaram os canis pelas quadras de tênis e fizeram demonstrações de suas habilidades pouco antes da primeira partida das semifinais do torneio, que teve o espanhol Albert Ramos Viñolas enfrentando o português João Sousa.

Antes mesmo de entrarem, os bichinhos já tinham conquistado os olhares do público que estava no Esporte Clube Pinheiros para assistir ao penúltimo dia da competição, válida pela série ATP 250 e disputada no saibro.

Na quadra, eles se tornaram parte do jogo de exibição protagonizado pelo capitão da equipe brasileira da Copa Davis, João Zwetsch, e o jogador Marcelo Demoliner.

Com munhequeiras nas patas dianteiras e um lenço no pescoço, Pretinha foi a primeira a entrar e desconcertou até os tenistas. Ela resistiu na hora de devolver a bola e parou no meio da quadra para fazer as necessidades perante a incredulidade de Demoliner, que disse ter vontade de adotar futuramente.

"Quando tiver minha própria casa e minha família, quem sabe adoto um animalzinho desses", afirmou ele, após a partida de exibição.

O atleta de 28 anos carregou nos braços o exausto Dexter, de dois anos e que foi abandonado na porta da ONG Projeto Segunda Chance, que abriga e tenta uma nova oportunidade para os peludos sem dono.

O Projeto Segunda Chance treinou três animais para pegar as bolinhas, enquanto a ONG Cão Sem Dono emprestou outros três para ganhar visibilidade e aumentar o número de adoções.

"Esperamos que os animais possam ir para um lugar bom. Os cachorros precisam de lugares onde recebam carinho e boa alimentação", afirmou Vicente Define, da Cão Sem Dono.

A iniciativa foi organizada pela PremieR pet, que quis repetir o sucesso do ano passado, quando os quatro animais que participaram da edição de 2016 conseguiram encontrar um novo lar. Uma das cadelas adotadas foi inclusive rebatizada e ganhou o nome de Serena, em homenagem à tenista americana Serena Williams, atual número 1 do ranking mundial.

De acordo com a assessoria da PremieR pet, o objetivo é mostrar que todos os animais, independentemente de sua história de abandono, podem se tornar grandes companheiros. EFE