Botafogo luta para aprimorar a pontaria de olho em vaga no G8 do Brasileiro


Por mais que tenha altos e baixos no Brasileirão, o Botafogo continua a lidar com uma dificuldade nos pés. A equipe encontra condições para criar jogadas, mas se atrapalha quando tenta estufar as redes.

Na recente sequência de dois jogos disputados no Nilton Santos, o Alvinegro desperdiçou uma sucessão de oportunidades (em especial na etapa inicial). Obteve os três pontos ao bater por 2 a 1 o RB Bragantino, mas, na última terça-feira (1), se deixou envolver pelo Cuiabá e perdeu por 2 a 0.

No duelo com o Massa Bruta, na quarta-feira anterior (26/10), os botafoguenses finalizaram 18 vezes ao gol. Em apenas oito acertaram a meta de Cleiton, até, enfim, Gabriel Pires abrir o placar no primeiro tempo e Tchê Tchê desempatar o jogo na etapa final.

Enquanto isto, confronto com o Dourado aumentou o alerta em relação à conclusão de jogadas. No revés em casa, o Alvinegro teve 23 oportunidades. Contudo, cinco delas ameaçaram a meta de Walter (e três delas foram salvas pelo goleiro).

O técnico Luís Castro opinou sobre a atuação diante do Cuiabá.

- Nós tivemos 23 finalizações, não é normal em um jogo ter esse número. Dessas, só conseguimos acertar cinco, e foram quatro chances claras de gol. Outras situações tivemos menos chances e conseguimos fazer gols. Futebol não é matemático, nem sempre você vai chutar cinco e fazer um gol, chutar 10 e fazer dois. A justiça do futebol está nos gols que se marca. Nosso adversário fez dois. Nós, nenhum. Então, o merecimento vai para eles, vai para o Cuiabá e António Oliveira - disse.

Cabe ao Botafogo continuar a aprimorar a pontaria em busca dos pontos que garantam a classificação para a Libertadores de 2023. Com 47 pontos, o Alvinegro volta a campo na segunda-feira (7) para enfrentar o Atlético-MG no Mineirão.