Botafogo encara atual campeão Atlético Nacional em jogo histórico

O Botafogo terá um difícil compromisso nesta quinta-feira, às 21h45(de Brasília), quando visita o Atlético Nacional no Estádio Atanasio Girardot, em Medellín, na Colômbia, pela segunda rodada do Grupo 1 da Copa Libertadores. A partida pode ser considerada histórica, pois será a primeira de um clube brasileiro na cidade após o acidente aéreo com a delegação da Chapecoense, que enfrentaria os atleticanos na final da Copa Sul-Americana do ano passado. Um reflexo disso é que o clima de rivalidade foi deixado de lado e a delegação botafoguense foi recebida com honras pelos colombianos.

Porém, quando a bola rolar, as dificuldades do Botafogo devem ser grandes, já que o Atlético Nacional é o atual campeão da Copa Libertadores e, além disso, lidera o Campeonato Colombiano. A equipe, no entanto, estreou neste Grupo 1 perdendo por 2 a 1 para o Barcelona de Guayaquil. Os equatorianos, por sinal, venceram o Estudiantes por 2 a 0, na última terça-feira, na Argentina, e lideram com seis pontos e cem por cento de aproveitamento. O Glorioso vem em segundo lugar com os três pontos do triunfo sobre os argentinos.

Ciente de que o Atlético Nacional perdeu muitos jogadores em relação ao elenco campeão da Libertadores, o técnico Jair Ventura sabe que o Botafogo pode ganhar, mas entende que isso vai exigir um jogo perfeito.

“Não vamos poder errar em nada, pois o Atlético Nacional, apesar de ter perdido jogadores importantes, ainda tem um time muito qualificado e jogadores perigosos. Além disso, é muito forte jogando em casa e não podemos pensar em cometer erros. A concentração tem que estar em alta ao longo dos noventa minutos”, disse o treinador da equipe brasileira.

Os atletas botafoguenses realmente parecem respeitar e conhecer bem o rival. “O Atlético Nacional tem atletas habilidosos. O Macnelly Torres é um meia muito veloz, que sabe explorar os problemas defensivos de seus rivais. Portanto, vamos precisar encurtar seus espaços”, disse o goleiro paraguaio Gatito Fernández.

O respeito entre os times, porém, é mútuo. “O Botafogo conta com um grande time, atravessa uma fase maravilhosa e parece não se abater com nenhum problema. Seu técnico lida muito bem com problemas e por isso mesmo tem o grupo na mão. Parece não sentir nem desfalques, pois joga de forma compacta e bloqueia bem os espaços. Trata-se de um time muito forte e vamos precisar de uma grande exibição se quisermos a vitória”, disse Reinaldo Rueda, comandante do Atlético Nacional.

Em termos de escalação, o Botafogo tem problemas. O volante Aírton, com lesão no músculo adutor da coxa direita, e o meia argentino Walter Montillo, com dores na parte posterior da coxa direita, ficaram de fora do voo. As perdas são consideradas importantes, ainda mais porque não são as únicas. O treinador será obrigado a improvisar na lateral direita, pois não tem jogador de origem para a posição. Titular absoluto durante a temporada passada, Luis Ricardo sofreu uma fratura no tornozelo esquerdo no segundo semestre do ano passado e só deverá voltar a jogar no fim do mês. Com isso, sequer foi inscrito na Copa Libertadores.

Contratado com status de titular após um bom Campeonato Brasileiro pelo América-MG, Jonas teve um mau começo, caiu em desgraça com a torcida e, para piorar, rompeu os ligamentos do joelho direito. Ele só deve ser liberado para jogar no fim do ano.

Com isso, Jair Ventura decidiu improvisar. O zagueiro Marcelo, que entrou em testes de fogo na Copa Libertadores e se saiu bem, ficou no setor até sofrer lesão muscular na coxa direita. Quem vinha atuando até então era Marcinho, revelado nas categorias de base do clube, que teve um rompimento do ligamento cruzado do joelho direito na vitória por 3 a 2 sobre o Resende, pelo Campeonato Carioca. Assim, o volante Fernandes ou o zagueiro Emerson Santos jogará no setor. Pesa contra o segundo o fato de estar vindo de um longo período parado por conta de discussões sobre a renovação de contrato.

Diante de tantos problemas, Jair Ventura vai manter o esquema com três volantes. Bruno Silva, Rodrigo Lindoso e João Paulo devem compor o setor, com Camilo tendo mais liberdade para apoiar o ataque, que terá Rodrigo Pimpão e mais um centroavante. Roger e Sassá disputam posição. O zagueiro argentino Joel Carli, recuperado de dores na perna direita, deverá voltar ao time, compondo o setor com Emerson Silva.

O Atlético Nacional também sofre com problemas em sua escalação. O goleiro argentino Franco Armani sofreu uma lesão no cotovelo direito e dificilmente vai reunir condições de enfrentar o Glorioso. Assim, Cristian Bonilla deverá ser o escolhido para defender a meta colombiana. Dois desfalques já são certos. O zagueiro Felipe Aguilar sofreu rompimento dos ligamentos do joelho esquerdo e ficará dois meses afastado dos gramados. Já o volante Mateus Uribe cumpre suspensão por conta de sua expulsão contra o Barcelona. Sem eles, Daniel Bocanegra e Álvaro Nájera deverão formar a dupla de zaga, enquanto que Aldo Ramírez tem tudo para ganhar um lugar no meio-campo.

FICHA TÉCNICA

ATLÉTICO NACIONAL-COL X BOTAFOGO-BRA

Local: Estádio Atanasio Girardot, em Medellín (Colômbia)

Data: 13 de abril de 2017 (Quinta-feira)

Horário: 21h45(de Brasília)

Árbitro: Ulises Mereles (Paraguai)

Assistentes: Rodney Aquino (Paraguai) e Carlos Cáceres (Paraguai)

ATLÉTICO NACIONAL: Cristian Bonilla, Alexis Charales, Daniel Bocanegra, Álvaro Nájera e Farid Rhenals; Alejandro Bernal, Diego Arias, Aldo Ramírez, Macnelly Torres e Jhon Rebolledo; Dayro Moreno

Técnico: Reinaldo Rueda

BOTAFOGO: Gatito Fernández, Fernandes, Joel Carli, Emerson Silva e Víctor Luís; Bruno Silva, Rodrigo Lindoso, João Paulo e Camilo; Rodrigo Pimpão e Sassá (Roger)

Técnico: Jair Ventura