Boschilia aposta no Beira-Rio por vaga na Libertadores: “temos que nos impor”

Goal.com
Uma das principais contratações do colorado para a temporada, meia cobra imposição para garantir classificação diante da Universidad de Chile
Uma das principais contratações do colorado para a temporada, meia cobra imposição para garantir classificação diante da Universidad de Chile

Uma das principais contratações do Internacional para a temporada, o meia Boschilia joga junto com os companheiros o destino do clube gaúcho nesta terça-feira, às 19h15 (de Brasília). Diante da Universidad de Chile, no Beira-Rio, o Colorado tenta seguir vivo na briga por uma vaga na fase de grupos da Copa Libertadores da América.

"Buscamos a vitória lá, mas infelizmente não veio. Agora temos de aproveitar o fator casa, a torcida do nosso lado, e nos impor. Buscar esses gols que vão nos dar a classificação para a próxima fase. Estamos muito focados nisso e em fazer um grande jogo", comentou o jogador após o 0 a 0 na ida, em Santiago.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

De volta ao futebol brasileiro após três anos entre França e Bélgica, o armador contou à Goal os motivos para retornar ao país do qual saiu como promessa. Depois do surgimento no São Paulo, a ideia agora é se estabelecer em outro centro nacional.

"A proposta de um grande clube como Internacional [me atraiu]. Possibilidade de atuar num gigante do Brasil, que tem uma torcida apaixonada, toda a estrutura. É um projeto que me interessou demais e eu não tive nenhuma dúvida em aceitar", explicou Boschilia, lembrando dos tempos recentes em Monaco, Nantes e Liege.

"Eu vivi muitas coisas enquanto atuei no futebol europeu. Meu jogo evoluiu bastante, vivi diversas experiências, ótimos momentos, alguns não tão bons também", começou o atleta, que passou por algumas contusões no período. A principal delas uma ruptura nos ligamentos do joelho.

"Mas eu creio que vivi ao máximo todos os dias, me doei sempre por onde passei e não está sendo diferente aqui no Inter", assegurou. Por fim, ele ainda contou a experiência de atuar sob o comando de Eduardo Coudet.

"Tem sido muito bom, o pessoal me recebeu muito bem, já voltei a atuar, estar em campo, isso é algo que eu buscava também, e já também com jogos decisivos, sentindo o apoio da torcida do Inter", analisou, pedindo um pouco mais de tempo para mostrar o seu futebol.

"Acho que o ritmo ainda não, já que estamos em início de temporada, então acho que aos poucos a gente vai se adaptando mais também", concluiu o jogador.

Leia também