Borrachinha admite que forçou "clima hostil" para intimidar rival no UFC Fortaleza

Paulo ‘Borrachinha’ venceu Garreth McLellan por nocaute no primeiro round - Inovafoto

A estreia de Paulo ‘Borrachinha’ no maior torneio de MMA do mundo durou apenas 1m17s. Foi esse o tempo necessário para o brasileiro atropelar Garreth McLellan no duelo de abertura do UFC Fortaleza, disputado nesse sábado (11). E a tática do estreante antes do confronto foi bem simples: fazer com que seu rival se entisse desconfortável com o clima hostil no Brasil.

Quem admitiu isso foi o próprio Borrachinha, em entrevista aos jornalistas após sua luta. Segundo o mineiro, depois de vencer o sul-africano, ele mesmo fez questão de ir até o oponente para garantir que não tinha nada contra ele, mas apenas não queria criar vínculos antes de entrar no octógono com o adversário.

“Falei para ele que ele é um cara bacana, mas não quis fazer amizade com ele antes. Não gosto de lutar com amigo, gosto de fazer amizade depois. Falei com ele depois que se quisesse conversar era “de boa”. Botei uma pressão antes na luta, fiz um clima meio hostil porque estou na minha casa, em Fortaleza. Não sou daqui, mas estou lutando no Brasil e tenho que me impor. Coloquei uma pressão nele, uma pimenta a mais, mas ele é uma pessoa boa”, afirmou o brasileiro, antes de relatar alguns momentos de tensão.

“Teve (situações antes da luta). Sempre encarando ele, sempre olhando no olho e ele abaixava o olhar. Teve um momento também na pesagem que ele passou por mim, olhou, olhou de novo, e perguntei: “O que está olhando?”. Botei uma pressão nele. Acho que sim (o intimidou). Alguns lutadores são intimidados, e aí fiz isso”, completou.

Paulo Borrachinha teve uma estreia tão boa que acabou sendo um dos contemplados com o prêmio de ‘Performance da Noite’, o que garantiu a ele um bônus extra de 50 mil dólares ((R$ 157 mil).

Empolgado com a atuação e a vitória desse sábado, Borrachinha não quer nem saber de descanso. Tanto é que pediu para ser incluído no card do UFC 212, que acontecerá em 3 de junho, no Rio de Janeiro.

“Quero lutar já no UFC Rio, em junho. Acho que dá um tempo bacana, não me machuquei, e esse é meu oitavo nocaute no primeiro round, e estou muito bem. Quero lutar no UFC Rio, lutar pelo meu país, meu público, minha torcida, e lutar contra os melhores”, pediu.