Em vídeo, Bolsonaro relaciona divulgação de exame de Covid-19 a impeachment

Yahoo Notícias
Bolsonaro voltou a falar sobre seu direito à privacidade em não revelar o resultado dos exames. (Foto: Evaristo Sá/AFP via Getty Images)
Bolsonaro voltou a falar sobre seu direito à privacidade em não revelar o resultado dos exames. (Foto: Evaristo Sá/AFP via Getty Images)

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) teria afirmado na reunião ministerial do dia 22 de abril que não iria divulgar a “porcaria” de um exame do novo coronavírus que poderia, eventualmente, levar a um processo de impeachment.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

O relato é de fontes que acompanharam a exibição do vídeo nesta terça-feira (12), segundo publicado na coluna de Fausto Macedo, no jornal O Estado de São Paulo. O caso está nas mãos do STF (Supremo Tribunal Federal). Questionado, Bolsonaro voltou a afirmar que tem “direto à privacidade”.

Leia também

Bolsonaro tem se recusado a revelar a íntegra do exame para Covid-19 desde que voltou de sua visita a Miami, nos Estados Unidos, na qual diversos membros de sua coletiva testaram positivo para a doença. Questionado por diversas vezes, o presidente simplesmente afirmou que seus dois testes feitos até agora deram negativo sem, no entanto, apresentar os laudos.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

A obrigação da apresentação dos exames foi pedida na Justiça Federal pelo jornal O Estado de São Paulo. Inicialmente, a Justiça Federal de São Paulo e, posteriormente, o TRF-3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região) garantiram ao veículo o direito de ter acesso aos resultados, baseado no interesse público em torno da saúde do presidente da República.

No entanto, uma decisão tomada pelo presidente do STJ (Supremo Tribunal de Justiça), João Otávio de Noronha, desobrigou o presidente a apresentar os exames, derrubando o entendimento da primeira e da segunda instâncias.

O ministro Ricardo Lewandowski, do STF, foi sorteado para ser relator do pedido realizado pelo Estadão para que se suspenda a decisão pelo STJ.

‘DIREITO À PRIVACIDADE’

Após o vazamento do vídeo da reunião, Bolsonaro voltou a dizer que tem direito à privacidade para não divulgar os resultados.

“Esse assunto aí está com o Lewandowski, o que ele decidir está cumprido. O que está fazendo valer não é o que está escrito no laudo, é meu direito à privacidade como é o teu direito à privacidade. Tem uma lei nesse sentido que vale ao mais humilde cidadão brasileiro ao presidente. Se o ‘João’ da esquina tem direito a não mostrar, eu também tenho”.

Leia também